Minas protesta com recurso na CBB

O Minas Tênis Clube espera resposta da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) para o recurso que protocolou contra a decisão dos árbitros Sérgio de Jesus Pacheco, de São Paulo, e do iugoslavo Veibor Kostic, do Rio, que deu a vitória à Uniara, por 81 a 80, no jogo da rodada de domingo, em Araraquara. A Universo/Minas vencia a Uniara/Araraquara por 80 a 79, antes do arremesso de Rodrigo - o time de Minas alega que foi feito com o cronômetro ?zerado?. Também questiona o fato de o árbitro iugoslavo, que já havia determinado o encerramento da partida, ter voltado atrás na decisão. Nesta quarta-feira, a CBB disse que responderá ao recurso nos próximos dias, mas adiantou que nunca usou a imagem de um jogo para voltar atrás em um resultado.Diferentemente da NBA, que tem condições de filmar, com os mesmos recursos técnicos, todas as partidas e passou a usar o vídeo para esclarecer situações polêmicas como essa, o basquete brasileiro não conta com tal recurso.Mesmo assim, Alexandre Cunha, diretor de Basquete do Minas, levou à CBB a carta-protesto, artigos da regra, fita de vídeo e fotos do lance. O Minas alega erro de direito na aplicação das regras do basquete e pede que o placar de 80 a 79 seja mantido.Repatriadas - A Unimed, de Americana, contratou a armadora Adrianinha, 25 anos, e a pivô Cintia Tuiú, 28 anos, que estavam jogando em equipes da Itália e, assim, garantiu o ?repatriação? de duas das titulares da seleção brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.