Warren Toda/EFE
Warren Toda/EFE

Na terra do hóquei, campeão Toronto Raptors pode mudar de patamar na NBA

Única franquia fora dos Estados Unidos consegue feito inédito com título sobre o poderoso Warriors

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2019 | 08h06

A cidade de Toronto e o Canadá estão em festa. Desde a conquista do Montreal Canadiens na Stanley Cup, decisão da National Hockey League (NHL), e do Toronto Blue Jays, na World Series da Major League Baseball (MLB), ambos em 1993, o país não era campeão das ligas profissionais norte-americanas. Os Raptors conquistaram um título que parecia impossível ao superar o favorito Golden State Warriors na final e o feito inédito para uma equipe do Canadá na NBA pode mudar o patamar da franquia.

A maior dificuldade da equipe de Toronto sempre foi convencer bons jogadores em atuar pela franquia. Por ser o único time fora dos Estados Unidos, quem joga lá fica longe da família e dos amigos. Além disso, o estilo de vida na cidade é pacato, algo que importa para atletas milionários com 20 e poucos anos e acostumados com os holofotes.

Neste contexto, DeMar DeRozan se tornou um ídolo local. Foram nove temporadas até ser trocado por Kawhi Leonard nesta temporada. A movimentação do gerente-geral do Toronto, Masai Ujiri, foi bastante criticada até que o conto de fadas se tornou realidade. O ala, que já havia sido campeão com o San Antonio Spurs em 2014, liderou o time para um título improvável e agora, coincidemente, pode ser o responsável por uma mudança importante.

Antes do início da temporada ninguém apostava na permanência de Leonard em Toronto. Agora já existe um burburinho de que o jogador poderia seguir por lá. A decisão está na mão do ala, que possui uma cláusula "player option" no contato de US$ 21 milhões (R$ 81,4 milhões). Para continuar nos Raptors, basta não ativá-la.

A mesma situação acontece com Marc Gasol, pivô que chegou do Memphis Grizzlies no decorrer da temporada e teve participação importante no título. O espanhol também tem uma cláusula "player option" para seguir em Toronto por US$ 25 milhões (R$ 97 milhões). Já Danny Green, outro titular da campanha, ficará sem contrato.

Outras peças importantes na conquista, Kyle Lowry, Serge Ibaka e Pascal Siakam têm contrato para a próxima temporada, assim como Fred VanVleet e Norman Powell.

Mesmo que não consiga segurar o agora ídolo Kawhi Leonard, que está na mira de Los Angeles Clippers e New York Knicks, Toronto tem tudo para ver um movimento migratório dos Estados Unidos para o Canadá. O título servirá para atrair novos jogadores.

Os Raptors foram os primeiros campeões da NBA fora dos Estados Unidos, algo impactante e que já ocorreu em outras ligas. No hóquei no gelo, por exemplo, apesar do jejum de títulos desde 1993, o maior vencedor da NHL é o Montreal Canadiens, com 24 títulos da Stanley Cup. No beisebol, o Toronto Blue Jays tem duas conquistas.

Existem muitas perguntas no ar e poucas respostas sobre o futuro. A única certeza é que o Toronto Raptors, franquia que nasceu em 1995 na expansão na NBA para o Canadá, escreveu um capítulo mágico na história da maior liga de basquete do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.