John G. Mablango / EFE
John G. Mablango / EFE

NBA admite busca por maior equilíbrio, mas descarta preocupação com Warriors

Equipe campeã de três das últimas quatro finais é criticada por ser formada por grandes astros, fator que deixa a competição desfavorável

Estadão Conteúdo

11 Julho 2018 | 09h38

A NBA admitiu na noite de terça-feira que busca formas de se tornar mais competitiva. O comissário da liga norte-americana, Adam Silver, no entanto, descartou que a preocupação tenha ligação com a hegemonia do Golden State Warriors e se disse satisfeito com o momento que o campeonato atravessa.

+ Scott Machado tem boa atuação em vitória do Nuggets na Summer League da NBA

+ LeBron James assina oficialmente contrato de 4 temporadas com Los Angeles Lakers

+ Augusto Lima é titular em derrota do Raptors para o Timberwolves na Summer League

"Não estou aqui para dizer que temos um problema. Eu amo o jeito que a liga está agora. Mas acho que podemos criar um sistema melhor", considerou. "Cabe a mim e ao meu comitê de relações de trabalho sentar com os jogadores e seu comitê e convencê-los de que talvez possamos fazer as coisas de uma melhor forma."

A discussão sobre melhorias na NBA, inclusive em relação a seu equilíbrio, aconteceu durante a reunião entre a diretoria da liga e os donos das franquias, na noite de terça-feira. Nos últimos dias, a competitividade do campeonato foi bastante discutida por causa da hegemonia do Warriors.

Finalista nas últimas quatro edições da NBA, e vencedor em três delas, o Warriors estendeu sua dinastia no ano passado, com um time com estrelas como Stephen Curry, Klay Thompson, Draymond Green e Kevin Durant. Para a próxima temporada, ainda adicionou um dos grandes pivôs da liga, DeMarcus Cousins, o que gerou críticas da torcida às regras da liga.

"Eu não acho necessariamente que seja ruim, por si só, o Warriors ser dominante. Nós não estamos tentando criar algum tipo de equilíbrio forçado. O que estamos realmente querendo é focar na oportunidade de equilíbrio", disse Silver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.