Jussi Nukari/Reuters
Jussi Nukari/Reuters

NBA deve apostar alto em Doncic, o talentoso esloveno de 18 anos

Ala ajudou seu país a ser campeão europeu e pode ser a primeira escolha no Draft de 2018

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 07h00

Em um mundo cada vez mais globalizado, a queda das fronteiras chegou até à outrora restrita NBA. Se há alguns anos a principal liga de basquete do mundo era dominada por norte-americanos ou estrangeiros radicados dos Estados Unidos, nomes como Dirk Nowitzki, Manu Ginóbili e até o brasileiro Nenê mudaram esta condição. A próxima aposta, agora, é em um jovem da Eslovênia.

+ Com show de Dragic, Eslovênia ganha Europeu de Basquete pela 1ª vez

O “fenômeno” Luka Doncic já tomou conta da Europa e atrai cada vez mais atenção da NBA. Alguns especialistas apostam, inclusive, que o armador de 18 anos, destaque do Real Madrid, possa ser a primeira escolha do próximo Draft da liga, no ano que vem.

Apesar de a atual temporada da NBA ter começado há apenas três semanas, diversas franquias estão mirando Doncic. Times como Chicago Bulls, Atlanta Hawks, Dallas Mavericks e Sacramento Kings fazem péssimas campanhas neste início e são favoritos para terminar nas últimas colocações. Assim, devem ficar com as primeiras escolhas do Draft de 2018 e, por isso, já pensam no esloveno.

“Doncic é um raro talento, que mesmo tendo 2,01m pode iniciar um ataque tanto quanto jogar sem a bola, graças à sua precisão no arremesso. Ninguém está acostumado a ver tanto potencial em um armador jovem de sua altura. Não tem a força ou o jogo de garrafão de outras estrelas, mas compensa com o arremesso, que o coloca em um território raro. Tem muita noção da quadra, toma boas decisões e é ótimo passador, o que o torna um grande criador”, elogia o jornalista norte-americano Cole Zwicker, especialista em análise de jovens para o Draft da NBA. O próprio jogador sabe do interesse da NBA por seu nome, mas tenta manter o foco naquele que pode ser seu último ano na Europa. “Eu não olho para o futuro. Estou no Real, onde me sinto melhor do que em qualquer outro lugar. Esta pode ser minha última temporada, mas também pode não ser. Não tenho como dizer”, declarou recentemente.

Filho de Sasa, jogador da seleção eslovena no início dos anos 2000 e atual técnico de basquete, Luka começou cedo no esporte. Primeiro na escola e depois no Olimpija, quebrou recordes no país e chegou a marcar 54 pontos em uma partida. Assim, atraiu os olhares do Real, que o levou ainda muito jovem em 2012, aos 13 anos.

O sucesso seguiu nas categorias de base do gigante europeu e Doncic se tornou o mais jovem jogador a estrear pelo time principal do Real no Campeonato Espanhol, aos 16 anos, em 2015. Na temporada passada, encerrada no meio deste ano, se firmou como titular e um dos destaques da equipe, mesmo com apenas 18 anos.

Paralelamente, Doncic foi subindo degraus também na seleção eslovena, até chegar ao auge no Campeonato Europeu deste ano ao lado de Goran Dragic, armador do Miami Heat, que jogou com seu pai justamente no Olimpija, entre 2007 e 2008, quando Luka despontava na base do clube.

“Mesmo naquela época, dava para ver que ele (Doncic) tinha muita noção com a bola, como seu pai”, chegou a dizer Dragic durante o Europeu. Dez anos depois daquele início de carreira para ambos, eles conduziram a Eslovênia a seu primeiro título continental em setembro.

Doncic terminou o torneio como um dos destaques, com médias de 14,3 pontos, 8,1 rebotes e 3,6 assistências por jogo. Sua melhor atuação aconteceu na semifinal diante da favorita Espanha, quando beirou um “triplo-duplo” ao marcar 11 pontos, 12 rebotes e oito assistências. Uma lesão na decisão diante da Sérvia o impediria de repetir o destaque, mas Dragic conduziria a Eslovênia ao título com 35 pontos.

Na nova temporada com o Real Madrid, Doncic começou mostrando que quer mesmo cavar seu espaço na NBA. Nas primeiras três partidas da Liga Europeia, teve médias de 23 pontos, 7,6 rebotes e 3,6 assistências, liderando a equipe nas vitórias contra Zalgiris Kauna (Lituânia), Olimpia Milão (Itália) e CSKA Moscou (Rússia). Novos passos para o garoto que se mostra cada vez mais preparado para ser a nova grande estrela do basquete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.