Ronald Martinez/AFP
Ronald Martinez/AFP

NBA fecha por cinco anos com o SporTV e quer voltar à TV aberta

Acordo será anunciado oficialmente nesta quinta. ESPN, Space e Sports+ continuarão transmitindo jogos da liga norte-americana

Marcius Azevedo, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2015 | 06h00

Os fãs de basquete terão mais uma opção para acompanhar pela tevê os astros da NBA. A liga norte-americana anuncia oficialmente nesta quinta-feira o acordo com o SporTV, canal esportivo da Globosat, para transmissão das partidas. Agora são quatro canais com jogos em sua programação, já que os contratos firmados com ESPN, Space (Grupo Turner) e Sports Plus (SKY) não sofrerão alterações. 

NBA e Globosat assinaram um acordo de cinco anos, válido até o final da temporada de 2020, em um valor total de US$ 20 milhões (R$ 57 milhões). Serão três jogos no mínimo por semana, com opção de partidas às segundas, terças, sábados e domingos. Por contrato, o SporTV vai transmitir jogos da temporada regular, dos playoffs e a final de uma conferência. As finais continuam sendo exclusividade da ESPN. 

A primeira partida do canal será exibida no dia 24 de fevereiro. O confronto inaugural será entre Dallas Mavericks e Toronto Raptors, na American Airlines Center, no Texas. O SporTV vai transmitir sempre jogos diferentes dos exibidos pelas outras emissoras.


Além das transmissões em canal fechado, o acordo prevê a utilização do conteúdo da NBA na tevê aberta. Assim, a liga norte-americana passará a fazer parte da grade de programação esportiva da Globo. 

“Considero esse acordo um grande marco da presença da NBA no Brasil”, comemora Arnon de Mello, diretor executivo da liga no país. “Não foi fácil, fizemos um esforço enorme, foram mais de três anos negociando. É um acordo muito importante.”

O objetivo de Arnon, claro, é levar a NBA para a tevê aberta, retomando um espaço que foi ocupado pela liga na década de 1990. A Bandeirantes foi responsável por apresentar estrelas como Magic Jonhson e Michael Jordan ao público brasileiro. 

“Há alguns anos poucos imaginavam um jogo da Liga dos Campeões na tevê aberta. É o caminho que queremos seguir. Será um trabalho árduo”, revelou Arnon, referindo-se ao principal torneio de futebol da Europa, que atualmente é transmitido por Globo e Bandeirantes.

Ciente das dificuldades de entrar na grade da Globo, o executivo não fixa um prazo, reforça que a parceria com a Globosat está apenas no início e que mira resultados a longo prazo. 

“Agora vamos focar no que já temos. Serão até 15 jogos por semana. Não temos mais o que oferecer ao mercado, esgotamos o número de partidas que podemos negociar. É focar no desenvolvimento do produto, ajudar os parceiros e transformar o trabalho em referência”, explicou. 

Arnon admitiu que há o interesse da NBA em oferecer horários alternativos para facilitar o acesso à tevê aberta.

“A grade no Brasil é um complicador, mas a liga está estudando isso, porque é um problema que também ocorre em outros países. Podemos ter jogos para teste pela manhã nos Estados Unidos para serem transmitidos à noite na China, no começo da tarde no Brasil e no final da tarde na Europa.”

Fim de semana. Até lá, os fãs da NBA podem comemorar o fato de terem mais opções. “Será uma oportunidade de ver mais jogos. Antes tínhamos 15 jogos em uma noite e apenas um sendo transmitindo no Brasil”, comentou Arnon. “Agora vamos alcançar um maior número de pessoas, fãs que não tinham como acompanhar os seus times.” 

O SporTV, por exemplo, vai transmitir partidas aos sábados e domingos, o que não ocorre com os outros parceiros da liga norte-americana. Apenas os jogos da final da NBA eram exibidas nos finais de semana.

“É mais uma oferta para quem não quiser acompanhar o futebol”, disse Arnon.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteNBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.