NBA: Globalização ajuda Nenê no draft

A globalização da NBA, a Liga Profissional de Basquete dos Estados Unidos, favorece o brasileiro Maybyner ?Nenê? Hilário, no draft (seleção de novos jogadores), nesta quarta-feira, às 20h30 (de Brasília), no Madison Square Garden, em Nova York. A NBA não esconde que procura novos mercados para seus produtos ? de canetinhas a uniformes ? o que aumenta a cotação dos candidatos internacionais. Nesta terça-feira, as agências de notícias apontavam o pivô chinês Yao Ming e o brasileiro Nenê como as principais atrações estrangeiras do draft. No caso do brasileiro, a preocupação é conseguir sua transferência ? tem contrato com o Vasco até 2003. O clube teria feito exigências financeiras ? e até ameaças ? para liberar o jogador. Nenê recebeu elogios dos jornais americanos. Nesta terça-feira, mereceu destaque em reportagem do Washington Post, sob o título ?Do Brasil, com talento, vem Hilário?. Nascido em São Carlos, interior de São Paulo, Nenê, de 20 anos e 2,10 metros, um dos poucos pivôs nacionais que ?enterra? disse, por telefone, após entrevista coletiva na Embaixada Brasileira, em Nova York, que está muito ansioso. ?Quero que esta quarta-feira termine logo. Não vejo a hora de pôr fim a essa agonia.? O atleta tem uma trajetória curiosa. Só atuou pelo Vasco, de Barueri, e depois pelo Vasco, do Rio, antes de surgir para o mundo no processo de renovação da seleção brasileira adulta ? foi reserva na seleção juvenil em 2000. Seu jogo está baseado na força física e na explosão, além de ser caracterizado pelo bom rebote. Nenê considera a seleção sua principal vitrine. ?Mesmo se eu for escolhido no draft, quero disputar o Mundial de Indianápolis (de 29 de agosto a 8 de setembro).? O técnico Hélio Rubens Garcia, que apresenta sua lista de convocados nesta quarta-feira, com 17 jogadores, já confirmou a presença de Nenê. O atleta, que não recebia salários desde dezembro, deixou o Vasco em março (chegou aos Estados Unidos no dia 24), a convite do ?olheiro? José Santos, um canadense que fala português, para tentar a sorte. Ficou a maior parte do tempo treinando em Cleveland e participou de dez clínicas em cidades diferentes. ?Foi bom para mostrar o meu basquete e conhecer melhor os clubes.? O advogado Michael Coyne vem cuidando dos interesses do jogador nos Estados Unidos, associado a Tom McGaughklin, agente oficial da NBA. Segundo Coyne, as equipes que têm interesse no brasileiro são o Cleveland Cavaliers (sexto na ordem de escolha), o New York Knicks (sétimo) e o Miami Heat (décimo). Outros interessados são o Los Angeles Lakers e o Phoenix Suns. O Houston Rockets, que será o primeiro time a escolher, tem tudo pronto para ficar com o gigante chinês Ming, de 22 anos e 2,26 m. Mas o provável número 1 do draft ainda não tem autorização da Federação de Basquete da China para jogar na NBA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.