Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

NBA multa ala do Heat em US$ 500 mil por escândalo em evento

Ele se envolveu em caso de consumo de maconha e visita proibida de mulheres durante simpósio para novatos

EFE,

19 de setembro de 2008 | 23h13

O ala Michael Beasley, calouro selecionado pelo Miami Heat como número dois no último draft da NBA, confirmou sua participação no escândalo registrado em um programa para novatos organizado anualmente e foi multado em US$ 500 mil.Beasley mudou sua opinião depois de ter inicialmente se negado a cooperar com a investigação do caso.Seu companheiro de equipe Mario Chalmers e Darrel Arthur, do Memphis Grizzlies, já haviam sido envolvidos diretamente no escândalo de consumo de maconha e visita proibida de mulheres durante o simpósio para novatos.Após Beasley admitir que participou também do incidente, ocorrido nos arredores de Nova York, a NBA impôs ao calouro uma multa de US$ 500 mil, embora não tenha anunciado sua suspensão, como no caso dos outros dois jogadores.A NBA explicou que Beasley, ex-jogador da Universidade de Kansas State, no início não ajudou na investigação do caso, mas que mudou de atitude e finalmente decidiu admitir seu envolvimento.Chalmers e Arthur, ex-jogadores dos Jayhawks, da Universidade do Kansas, atuais campeões nacionais, receberam multa de US$ 20 mil cada um na semana passada após serem expulsos do simpósio.Os dois foram surpreendidos com duas mulheres em um dos quartos do hotel onde o encontro era realizado, violando regras da NBA estabelecidas."Embora estejamos decepcionados com o envolvimento de Beasley, ficamos felizes por ter decidido dar um passo à frente para aceitar as conseqüências de seus atos junto com seu companheiro (Chalmers)", disse o presidente do Heat, Pat Riley, em comunicado de imprensa.

Tudo o que sabemos sobre:
NBAbasqueteMiami HeatMichael Beasley

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.