Kyle Terada-USA TODAY Sports
Kyle Terada-USA TODAY Sports

NBA tem Warriors mais favoritos do que nunca e LeBron nos Lakers

Dono de três títulos nas últimas quatro temporadas, Golden State mantém estrelas e contrata DeMarcus Cousins, peça que faltava para o quinteto

Gabriel Melloni, Marcius Azevedo, Renan Fernandes, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2018 | 05h00

Vencedor de três das últimas quatro edições da NBA, o Golden State Warriors chega para a temporada 2018/2019, que começa nesta terça-feira, mais favorito do que nunca. Não bastasse ter mantido a base vitoriosa, a franquia californiana adicionou a seu elenco um dos melhores pivôs da atualidade e ainda viu seu principal concorrente nesta hegemonia, o Cleveland Cavaliers, ruir.

O plantel dos Warriors continua com o MVP (Jogador Mais Valioso) das temporadas 2014/2015 e 2015/2016, Stephen Curry, o MVP das finais de 2016/2017 e 2017/2018, Kevin Durant, o melhor defensor do ano em 2016/2017, Draymond Green, o MVP das decisões de 2014/2015, Andre Iguodala, além de Klay Thompson, que, ao lado de Curry, forma os “Splash Brothers”.

Durante a última pré-temporada, no entanto, os Warriors surpreenderam ao contratar um dos grandes jogadores de garrafão da NBA nos últimos anos. DeMarcus Cousins aceitou um salário bem abaixo do esperado para levar seu talento para Oakland, fortalecer ainda mais o time e ter chance de conquistar um título. O jogador, porém, se recupera de uma grave lesão no tendão de Aquiles e só deve voltar no ano que vem.

“O Golden State, a cada ano, chega com um rótulo de que pode ser imbatível e o time agrega algum jogador de um nível muito bom. Este ano foi o DeMarcus Cousins. É o time com mais talento na liga, que todo mundo acha que vai ser campeão. É muito difícil jogar contra esse time, com DeMarcus ou sem DeMarcus, mas com ele vai dar um peso a mais”, comentou ao Estado o armador Raulzinho, do Utah Jazz, que, ao lado de Nenê, do Houston Rockets, e Cristiano Felício, do Chicago Bulls, são os representantes do Brasil nesta temporada. 

Finalista das últimas quatro edições, campeão em 2015/2016 e grande rival recente dos Warriors, os Cavaliers não devem passar de coadjuvantes desta vez. Afinal, depois de perder Kyrie Irving em 2017, a franquia viu LeBron James buscar novos ares, deixar a equipe após quatro anos e se acertar com o Los Angeles Lakers.

Sem os Cavaliers, a tendência é que o maior concorrente dos Warriors esteja também no Oeste. Vice-campeão da conferência na última temporada, o Houston Rockets manteve a base que deu trabalho ao Golden State e acertou com Carmelo Anthony. A principal esperança, porém, ainda passa por James Harden, MVP da última temporada, e Chris Paul, desfalque bastante sentido na série perdida para o rival de Oakland.

No Oeste, estará ainda LeBron James. Depois de anos de ostracismo, o segundo maior campeão da NBA, com 16 títulos, volta a chamar a atenção pelo reforço do grande nome do basquete mundial desde Michael Jordan. O ala assumiu o protagonismo de um projeto que tenta recolocar o time nos playoffs após cinco anos e terá a companhia de jovens como Lonzo Ball e Kyle Kuzma, além de veteranos como Rajon Rondo, Lance Stephenson e Michael Beasley.

“LeBron é um cara que faz todo mundo que está com ele jogar melhor. É um cara que está preocupado com o time, em ganhar, não à toa foi a oito finais seguidas, tem os títulos, tem uma carreira vitoriosa e, com certeza, muda tudo no Los Angeles. É um time com muita fama, mas que não tem tido bons resultados nos últimos anos. Vai ter um impacto grande”, aposta Raulzinho.

No enfraquecido Leste, três equipes despontam como candidatas a herdar o reinado dos Cavaliers. O grande favorito é o Boston Celtics, vice-campeão da conferência na última temporada. Se naquela ocasião as lesões de Kyrie Irving e Gordon Hayward atrapalharam os planos, desta vez os Celtics contam com a dupla saudável para liderar um elenco de jovens talentos, como Terry Rozier, Jayson Tatum e Jaylen Brown.

Outro elenco bastante jovem que promete lutar pelo título do Leste é o do Philadelphia 76ers. Depois de anos de derrotas propositais para buscar boas escolhas de Draft, o planejamento finalmente deu resultado na última temporada, com a ida às semifinais da conferência. Agora, Joel Embiid, Ben Simmons, Markelle Fultz e companhia estão mais experientes.

Por fim, o Toronto Raptors tentará apagar a fama de “amarelão”. Varrido por 4 a 0 em três dos últimos quatro playoffs, o time demitiu o técnico Dwane Casey e trocou o principal jogador, DeMar DeRozan, com o San Antonio Spurs, por Kawhi Leonard, MVP das finais em 2013/2014. Depois de se manifestar contra a transação, o ala terá de mostrar seu melhor basquete para os canadenses terem chance de surpreender.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.