Flamengo/Divulgação
Flamengo/Divulgação

NBB-11 promete uma disputa imprevisível pelo título

Quase metade das 14 equipes entra com chances reais de conquistar o título da temporada 2018-2019

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2018 | 05h00

A 11.ª edição do NBB (Novo Basquete Brasil) promete ser a mais imprevisível da história. A temporada, que começa neste sábado com quatro jogos, entre eles a reedição da última final entre Paulistano e Mogi das Cruzes, aponta ao menos seis postulantes ao título e vê caminho aberto para o surgimento de surpresas. 

Campeão com o Paulistano na edição 2016-2017, o técnico Gustavo de Conti defende o título, só que agora com outras cores. Valorizado pela surpreendente conquista, o treinador foi contratado pelo Flamengo, maior vencedor do NBB. Com um elenco recheado de bons jogadores, o time rubro-negro está entre os favoritos.

“A cada edição, o NBB fica mais equilibrado e imprevisível e isso deixa o campeonato mais empolgante para os torcedores e mais competitivo para quem está em quadra. Você precisa estar o tempo todo bem preparado, alerta, porque cada partida é um desafio diferente”, comentou o técnico Gustavinho.

Com carta branca para montar o elenco e um orçamento de R$ 6 milhões, o treinador, que levou consigo Diego Jeleilate, responsável pelas contratações do grupo campeão na temporada passada, reforçou o Flamengo com Jhonatan, Deryk Ramos e Nesbitt, todos do Paulistano, além de manter Anderson Varejão, Marquinhos e Olivinha.

“Esperamos ser uma equipe competitiva. Somos, sem dúvida, um dos favoritos. Mas existem vários times favoritos e outros que ainda podem surpreender durante a disputa”, diz. “Temos atletas experientes e talentosos, misturados com alguns jovens que já são vencedores. Esperamos conquistar o hexa para o Flamengo”, completou.

O time do Rio estreia contra o Basquete Cearense, fora de casa. A rodada de abertura neste sábado tem ainda outros dois jogos entre postulantes ao título. Com transmissão da Band e ESPN, Paulistano e Mogi se enfrentam no Ginásio Antonio Prado Junior, em São Paulo, às 13h35. Mais tarde, às 18h, ainda na capital, tem Pinheiros x Bauru. 

“O NBB deste ano será de muito equilíbrio. Temos times bem montados e muito fortes nesta edição. A cada ano que passa, o campeonato eleva seu nível, estrutura e os times estão acompanhando isso. É muito bacana, movimenta o esporte e consolida ainda mais o basquete no Brasil. Podemos esperar uma edição bem competitiva”, afirmou Demétrius Ferracciú, técnico do Bauru.

Semifinalista na competição passada, o Bauru acertou o retorno de Larry Taylor, que se destacou no vice-campeão Mogi, e Jefferson, além de contratar Lucas Mariano, Fúlvio e Gustavo Basílio – todos estavam no Vasco. Pelo lado do Pinheiros, outro time na lista dos favoritos, o técnico Cesar Guidetti mexeu bastante no elenco. Chegaram Dawkins, Isaac, Renato Carbonari e Betinho.

“Não conseguimos chegar à final do Paulista (caiu na semifinal para o Paulistano), mas vencemos os melhores times durante o campeonato, o que mostra que a nossa equipe chega forte ao NBB-11”, analisa Guidetti. “Estamos preparados para os grandes jogos e lutaremos pelas primeiras posições na fase de classificação. A partir dos playoffs, será outro torneio.”

A lista de postulantes ao título tem ainda o Franca. Com aporte financeiro do Sesi e sob o comando do técnico Helinho, o time foi campeão paulista ao derrotar o Paulistano na decisão na última quarta-feira e entra forte no NBB. A equipe inicia sua caminhada contra o Corinthians, terça-feira, fora de casa. Rafael Hettsheimeir, que passou por cirurgia para correção de uma fratura no pé esquerdo, será desfalque importante neste começo de campeonato.

“Tenho certeza de que este será o NBB mais equilibrado de todos. As equipes estão mais estruturadas, mais preparadas... Esperamos fazer um grande NBB”, afirmou Helinho, que encerrou o jejum de dez anos sem títulos do Franca. Com 14 equipes, a temporada regular vai até o dia 26 de março. Os 12 melhores vão para os playoffs, que serão disputados no formato 1-2-1-1, com os jogos 2, 3 e 5 sendo realizados na casa da equipe de melhor campanha na fase de classificação.

2 PERGUNTAS PARA...

Régis Marelli, técnico do Paulistano

1.O NBB-11 será o mais equilibrado da história?

Flamengo e Franca são os times mais fortes, principalmente na questão do orçamento, mas será um campeonato muito equilibrado. É uma competição longa, depende de lesões, de como você vai andar durante o torneio. As equipes vão ter altos e baixos e quem conseguir se manter, leva um pouco de vantagem. Mas existem sete ou oito equipes em que tudo pode acontecer.

2. O time já está recuperado da perda do Paulista para Franca?

Acaba tendo um impacto. Não esperávamos perder por 2 a 0. Franca cresceu muito no playoff, mas faz parte. Estamos prontos, até porque o Paulista possibilita isso. Queremos fazer um grande jogo, contra um adversário que já existe uma rivalidade

Guerrinha, técnico do Mogi

1. É possível apontar um favorito ao título?

Flamengo, Franca e Bauru estão em vantagem na questão de elenco. Mas Paulistano, Pinheiros, Mogi, Botafogo, o próprio Corinthians, que não fez um bom Paulista em termos de resultados, mas podemos colocar na lista, e, por fim, o Minas, que ganhou do San Lorenzo na pré-temporada na Argentina. E sempre tem alguma surpresa. São oito equipes com chances. Flamengo e Franca têm mais chances, mas tem de provar.

2. Como vê o fato de o NBB agora ser transmitido em diversas plataformas?

É mais uma boa novidade do basquete que deveria ser acompanhado por outros esportes. Você dá opção, atinge todos os tipos de público e leva o basquete para todos os setores.

Corinthians é atração na volta à elite

Campeão da Liga Ouro, divisão de acesso para o NBB, o Corinthians será uma das atrações da temporada 2018-2019. Com tradição na modalidade – são quatro títulos nacionais em 1965, 1966, 1969 e 1996 –, o time alvinegro volta à elite do basquete com um elenco experiente, formando por jogadores como Guilherme Giovanonni, Ricardo Fischer, Shilton e Fuller, mas que terá ainda de se encontrar após não ter um bom desempenho no Campeonato Paulista – ficou fora dos playoffs. 

“O Corinthians é uma equipe com história e tradição no basquete. Estamos trabalhando muito forte nestas últimas duas semanas para representar da melhor maneira possível esta camisa, brigar de igual para igual com qualquer adversário”, afirmou o técnico Bruno Savignani, que é também auxiliar do croata Aleksandar Petrovic na seleção brasileira.

“Montamos um elenco mesclando juventude e experiência para sofrer um pouco menos fisicamente com a sequência dos jogos. Nosso time vai entrar com uma postura agressiva defensivamente sem abrir mão de jogar sempre pela vitória, independentemente do rival”, diz.

A estreia será contra Franca, terça-feira, no ginásio Wlamir Marques, em São Paulo. Sem dinheiro para contratar mais peças após fracassar no Paulista, o time terá de se apoiar na força da torcida. “É um fator importante, são apaixonados. Pudemos ver isso no Paulista, quando estavam presentes em todos os ginásios”, disse Fischer.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.