João Pires/LNB
João Pires/LNB

NBB aponta saldo positivo em modelo de transmissão multiplataforma

Ibope Repucom destaca evolução significativa no perfil e tamanho da audiência

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2019 | 04h30

A temporada do Novo Basquete Brasil, que se encerrou no sábado com o título do Flamengo sobre Franca, comemora os resultados fora de quadra. O modelo multiplataforma, com transmissões de jogos em TV aberta (Band) e fechada (ESPN, Fox Sports e BandSports), além de Facebook e Twitter, foi considerado positivo, em levantamento feito pelo Ibope Repucom, líder em pesquisa de marketing esportivo e retorno de exposição das marcas em mídia.

Entre os dados obtidos se destaca o aumento do Average Time Spent, o tempo médio gasto pelo público assistindo à determinada transmissão. Considerando todos os jogos mostrados ao vivo em todas as emissoras que transmitiram o NBB na temporada anterior e na atual, houve um aumento de 25% no tempo médio gasto pelo torcedor diante da tela. Se na temporada passada os espectadores assistiam em média 18 minutos das partidas, na temporada que terminou com a festeja do Fla diante do Franca este índice saltou para mais de 22,5 minutos.

Nas emissoras por assinatura, o crescimento foi ainda maior. O tempo médio registrado foi de 15,5 minutos na disputa de 2017-2018 para mais de 21 minutos na atual – acréscimo de 38%. O NBB registrou ainda evolução no tempo médio sintonizado nos jogos em TV Aberta. As transmissões ao vivo na Band alcançaram uma média de 25,5 minutos, aumento de 5% no tempo médio em relação ao campeonato anterior. Isso significa que as pessoas estão vendo mais jogos de basquete.

O Ibope Repucom aponta que nos seis primeiros meses desta temporada (outubro de 2018 a março de 2019) em comparação aos primeiros seis meses da disputa passada (novembro de 2017 a abril de 2018), apenas no SporTV, o crescimento foi superior a 90% em número de transmissões de partidas. A soma das transmissões de Band, BandSports, ESPN e Fox Sports chega a quase 180 jogos.

Foram 350 horas nos seis primeiros meses, o que representa um acréscimo de 81% no volume de horas dedicadas à NBB em relação ao torneio anterior – as pessoas estão vendo mais porque as emissoras também estão mostrando mais jogos.

As transmissões pelo Facebook também cresceram. Na temporada passada, foram 1.126.562 visualizações em 20 confrontos, com 971.681 usuários únicos. Na atual, as visualizações quase que triplicaram: 3.143.227, com 1.368.877 usuários únicos, em 60 partidas.

Apenas as transmissões pelo Twitter não mostraram evolução de uma temporada à outra.

“A média de views únicos no Facebook superou, em algumas datas, a média de indivíduos que acompanharam as partidas em TV por assinatura de uma temporada para a outra. Nas finais da NBB, o modelo de transmissões simultâneas em TV e Facebook, como esperado, ofereceu crescimento em todos os canais”, disse José Colagrossi, diretor executivo do Ibope Repucom. “O quarto jogo das finais registrou índices superiores a 50% de crescimento para a Band e mais de 100% para os canais de TV por assinatura e mídias sociais”, completou.

Presidente da Liga Nacional de Basquete, Kouros Monadjemi, comemora. “A multiplataforma foi um projeto inovador e um marco na distribuição de conteúdos esportivos no Brasil. Levamos o basquete para milhões de fãs na TV aberta, fechada e redes sociais. Melhoramos a experiência das transmissões e fortalecemos a interação das marcas com os diversos públicos impactados pelos jogos.”

Para Colagrossi, o modelo pode ser adotado por outros torneios que enxergam o potencial da união entre TV para popularização do esporte e o engajamento oferecido pelas mídias sociais. “Com o objetivo de entregar a melhor oferta e atender aos apaixonados por basquete no Brasil, onde quer que eles estejam, este mix de comunicação que combina digital e offline se torna uma opção eficiente e altamente poderosa. TV e digital se complementam. Cada um faz o outro melhor.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.