Divulgação/Local
Divulgação/Local

NBB: Flamengo e Brasília buscam na defesa trunfo para vencer

Equipe rubro-negra e time da capital federal decidem o título da competição no próximo domingo, às 10 horas

24 de junho de 2009 | 18h21

Flamengo e Universo/Brasília decidem o título do Novo Basquete Brasil (NBB) neste domingo, às 10 horas, na HSBC Arena, no Rio de Janeiro. Donas das melhores médias no ataque durante a disputa do campeonato, as duas equipes têm buscado na defesa o diferencial para a conquista do título.

Veja também:

linkNBB já tem lista de destaques para premiação no dia 30

Campeão da temporada passada, o Flamengo teve média de 93,4 pontos em 28 jogos classificatórios. A média do Brasília, vice-campeão nacional, foi de 87,2 por partida. Mas na fase final a defesa tem falado mais alto. Nos quatro jogos disputados até agora, a média do rubro-negro passou a ser de 78,8 pontos contra 82,3 do adversário.

"Nossa meta contra o Flamengo tem sido encaixar bem nossa defesa, principalmente sobre o Marcelinho", explicou Estevam. O pivô, de 2,11 m, é o principal reboteiro da decisão, com média de 8,5 tentativas bem sucedidas na fase. Ele se define como um jogador de estilo mais discreto. "Não apareço muito nas estatísticas, mas trabalho bastante na cobertura, com tocos e bloqueios. Sou o tipo do jogador que procura se doar, sem se preocupar em pontuar. Faço coisas que não aparecem muito, mas fazem diferença no final."

Segundo o atleta, toda a equipe tem feito a lição de casa para conquistar o título. "Sempre procuramos estudar o adversário e ver o que os marcadores (cestinhas) estão fazendo. Queremos (os pivôs) cumprir nosso papel, que é garantir o rebote e a cobertura no garrafão, dando tranquilidade para alas e armadores poderem jogar."

Encostado na estatística está o pivô rubro-negro Baby, com média de 7,5 rebotes na fase. Com os mesmos 2,11 m do oponente, o atleta paranaense também destaca o trabalho defensivo realizado por seu time. "Nossas derrotas não foram por causa da defesa, mas porque tivemos baixo aproveitamento no ataque", lembrou o pivô, que atuou na NBA e no basquete europeu.

A equipe, segundo ele, trabalhou bastante no sistema defensivo. "Evoluímos muito com as orientações do João Batista, sempre nos corrigindo, além de conversarmos bastante entre nós e revermos os vídeos dos jogos para não repetirmos os mesmos erros. Também contamos com jogadores experientes e isto tem feito a diferença", completou o pivô.

Empatados por 2 a 2 na série melhor-de-cinco, os dois times finalistas já comemoraram títulos nesta temporada. O Flamengo venceu a Liga Sul-Americana, enquanto o Brasília foi campeão da Liga das Américas.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoUniverso/BrasíliaNBBbasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.