NLB: Marcel dirige equipe de Jundiaí

Marcel de Souza, ex-jogador da seleção brasileira de basquete e médico, vai se dividir entre plantões da Unida Básica de Saúde, em Jundiaí, e em uma maternidade, no ABC, e jogos da Nossa Liga de Basquete: com seu irmão Maury, vai dirigir o time Tahitian Noni/Jundiaí, da Conferência Sul. ?Não vou largar a medicina. Estou me organizando para administrar os dois. Minha decisão foi por causa de uma conjunção de situações. Conseguimos o patrocínio da Tahitian (marca de suco de fruta) e da Prefeitura de Jundiaí. A oportunidade falou mais alto?, explicou Marcel, que no último Estadual comandou a equipe de São Bernardo. Marcel também acredita que a Nossa Liga de Basquete seja uma forma de protesto. ?Para protestar, sou o primeiro. Todo mundo que está na NLB tem credibilidade. Temos nome de peso. É a volta das pessoas que foram esquecidas. Éramos vistos como heróis enquanto jogadores, mas fomos esquecidas. Eu, Oscar, Paula, Hortência estamos acostumados com o sucesso?. Marcel também não concorda com a posição de Gerasime ?Grego? Bosikis, presidente da Confederação Brasileira de Basquete, que não quer jogadores da NLB nas seleções brasileiras. ?Nas brigas políticas, a única coisa que a gente não pode usar são os atletas como massa de manobra. O Grego não pode atacar o jogador, nosso bem mais precioso?. Antes de ser contratado pelo time de Jundiaí, Marcel comandaria uma equipe de Barueri que tinha vaga na NLB, ?mas na última hora o time desistiu e a vaga foi transferida para Jundiaí?. No time, apenas Marcel e seu irmão têm contrato. No sábado, eles farão um processo seletivo no ginásio Municipal Doutor Nicolino de Lucca, o ?Bolão?, das 15h às 18h. Quanto a trabalhar com o irmão, Marcel brincou: ?Já fui técnico dele quando dirigia o time de Guarulhos. É mais fácil resolver problemas com o irmão?. Pela Conferência Norte, o Objetivo/São Carlos é a novidade. O time comandado por Nivaldo Meneghelli Jr. ? técnico que revelou Nenê em São Carlos ? tem o apoio financeiro de Nenê Hilário, que atua pelo Denver Nuggets na NBA, além do patrocínio do Objetivo. Edson Hilário, tio de Nenê, é o diretor do time. Segundo ele, foi Nenê quem viabilizou a vinda do técnico norte-americano Bob Donewalb ? que já foi treinador pessoal de LeBron James, destaque do Cleveland Cavaliers da NBA. Ele auxilia Meneghelli no time. ?Entramos no torneio porque o Nenê apoia a NLB. A competição será um sucesso e muito boa para nossa equipe?, disse Edson. Destaque do time é o ala/armador Marquinhos, de 20 anos e 2,06 m, que passou pelo Premiata/Montegranaro, da Segunda Divisão da Itália. O jogador foi outra indicação de Nenê e deve se inscrever no draft da NBA no ano que vem. Oscar Schmidt, o presidente da NLB, está feliz com a chegada de mais dois times. ?Isso mostra que estamos no caminho certo?.

Agencia Estado,

26 de outubro de 2005 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.