Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

No Brasil, Kobe Bryant se diz ansioso para ver jogo da seleção brasileira

'Em termos de Brasil e Itália, vou ser muito neutro. Sou fã dos Estados Unidos', disse

MARCIUS AZEVEDO, Agência Estado

21 de junho de 2013 | 16h36

SÃO PAULO - Fã do futebol brasileiro, Kobe Bryant, astro do Los Angeles Lakers, não pensou duas vezes para aceitar um convite de seu patrocinador para vir ao Brasil. Despreocupado com os protestos que tomaram conta do País, o jogador se mostrou empolgado por ter chance de acompanhar o jogo da seleção brasileira diante da Itália, neste sábado, em Salvador, pela Copa das Confederações.

"Estou empolgado com o jogo, esperando grande momentos de futebol", comentou Kobe, que participou de um concorrido evento em São Paulo. Sorridente, o astro dos Lakers preferiu ficar na defensiva ao ser questionado sobre o resultado da partida. "Em termos de Brasil e Itália, vou ser muito neutro. Sou fã dos Estados Unidos", disse.

Em relação aos protestos, Kobe se mostrou favorável à onda de insatisfação da população. "Eu não estava com medo ou apreensivo. É muito importante as pessoas terem voz. É importante você ser ouvido. Tenho certeza que todos querem que seja em paz, sem violência. Você quer que sua opinião importe", afirmou o astro, que se mostrou excitado de estar no Brasil.

"É uma grande oportunidade poder conhecer o Brasil. Quando era uma criança nunca pensei que o basquete me permitiria viajar e conhecer tantas culturas. É minha primeira vez no Brasil, estou realmente empolgado", disse.

Kobe pretende conhecer Neymar depois da partida em Salvador. Mas, mesmo antes de conhecê-lo, dá um conselho. Para o jogador, o brasileiro precisa trabalhar duro para se tornar um astro, agora que foi para o Barcelona.

"Eu penso que é importante para o Neymar crescer e competir. Muitas vezes você vê jovens que têm muitos compromissos e perdem o foco. É importante ele se manter focado, com dedicação aos treinos e ao esporte", afirmou Kobe.

Outro jogador que o astro dos Lakers vai encontrar é Ronaldinho Gaúcho, domingo, no Rio de Janeiro. Sobre o meia do Atlético-MG, não há dúvida. "É um fenômeno. Muito criativo, tem uma imaginação incrível. Sento em casa com minhas filhas e ficamos vendo o que ele faz", comentou.

O ala foi questionado ainda sobre quem seria melhor: Messi ou Cristiano Ronaldo? Kobe, no começo, não queria decidir, mas acabou optando pelo argentino.

"Depende do que você estiver olhando, é difícil, muito difícil. É complicado comparar jogadores, dependendo do que você quer ter. Se você quiser alguém para abrir jogo vai com Magic Johnson, se quiser fazer pontos, escolheria Jordan. Gosto de ver o Messi, o que ele faz com o Barcelona e a forma como movimenta a bola é fantástico. Eu realmente gosto de assistir ele jogando", discursou.

Por fim, Kobe lamentou o fato de não conseguir jogar futebol no Brasil. "Eu não posso jogar porque estou lesionado, mas gostaria muito. O Lakers vão te matar se eu fizer isso, sem chance", afirmou, gargalhando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.