Julian Campos/Divulgação
Julian Campos/Divulgação

No dia da igualdade feminina, atletas lançam movimento por condições iguais a dos homens no basquete

#LEVANTEABOLADELAS tem participação das atletas da LBF e de Paula, Hortência e Janeth

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2020 | 05h00

Inspirada pelo dia internacional da igualdade feminina, celebrado hoje, as jogadoras da Liga de Basquete Feminino lançam o movimento "Levante a Bola Delas". A campanha pelas redes sociais é baseada nos recentes questionamentos que pedem visibilidade, apoio e condições igualitárias ao basquete feminino, iniciados por Érika de Souza, em uma entrevista ao Estadão.

O movimento exalta o retorno que o basquete feminino oferece quando recebe investimento, como nas conquistas da década de 90. Campeãs do mundo pela seleção brasileira e medalhistas olímpicas, Magic Paula, Hortência e Janeth participam da campanha.

"É muito bom ver o engajamento de todos em torno do basquete feminino. Isso mostra que estamos unidas defendendo aquilo que é direito nosso, que é a igualdade nos patrocínios, no apoio das marcas esportivas e visibilidade", afirmou Érika. "Ter Paula, Hortência e Janeth mostra que não estamos sozinhas e que todos querem só uma coisa que é o crescimento do basquete feminino."

No vídeo, além de Érika, outras jogadoras de destaque da atual geração do basquete feminino brasileiro, como Raphaella Monteiro, Tainá Paixão e Gil Justino, também questionam as disparidades estruturais do esporte.

"Espero que essa campanha possa chamar a atenção das marcas em relação às mulheres e ao basquete feminino. Estamos num momento delicado, por causa da pandemia, e também preocupadas em relação à patrocínio. O basquete é o nosso trabalho e precisamos de apoio para ter uma liga forte no ano que vem, com mais equipes, para que possamos continuar jogando no nosso país", afirmou Tainá Paixão.

Para Magic Paula, endossar a campanha é uma questão pessoal de honrar o esporte que tantas alegrias lhe proporcionou. "São movimentos que cada vez mais se fortalecem e as mulheres estão sim buscando seus lugares ao sol e serem reconhecidas e valorizadas. A mulher pode praticar o esporte e tê-lo como profissão. Já caminhamos muito, mas ainda há um longo caminho a trilhar, e movimentos dessa natureza só fortalecem o basquete feminino e as atletas envolvidas nesse processo", afirmou a ex-jogadora.

"Pode ser um start para as outras modalidades estarem juntas neste contexto. É nosso papel e é dessa forma que posso contribuir para que a modalidade se fortaleça cada vez mais, com patrocínios, uma competição forte e mais jogadoras atuando e curtindo o basquete. Tudo o que eu tenho hoje foi conquistado através do basquete e faz parte da minha filosofia estar junto e apoiar", completou.

A locução do texto da campanha foi feita pela jornalista e apresentadora Glenda Kozlowski, que enfatiza a urgência do movimento. "A igualdade de gênero não pode mais esperar. É uma honra poder dar as mãos às jogadoras nesta luta por igualdade e respeito. Não podemos mais aceitar tamanhas diferenças que acontecem entre o feminino e o masculino nas arenas esportivas. Nós mulheres não podemos mais aceitar que, na lista da Forbes dos 100 atletas mais bem pagos do mundo, só tenham duas mulheres e de apenas uma modalidade, que é o tênis. É um momento de reflexão e de muita atitude", discursou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.