Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

No Recife, Corinthians bate Uninassau e abre 2 a 1 na final do basquete feminino

Após perder a primeira em Americana, equipe paulista vira a série e precisa de uma vitória para ser campeã da LBF

Estadao Conteudo

29 de abril de 2017 | 00h10

Em um jogo com altos e baixos, o Corinthians/Americana-SP está mais perto do título da Liga Nacional Feminina de Basquete. Nesta sexta-feira, no ginásio Wilson Campos, no Recife, o time paulista derrotou o Uninassau-PE por 80 a 68 (39 a 27 no primeiro tempo) e virou a série melhor de cinco da decisão para 2 a 1. Falta apenas mais uma vitória para ser campeão.

A primeira chance para as comandadas do técnico Antônio Carlos Vendramini será neste domingo, às 12 horas, novamente no Recife. Caso o Uninassau empate a série, a decisão do título será na terça-feira, às 21h30, no ginásio Centro Cívico, em Americana (SP). O Corinthians/Americana busca a taça que não veio na temporada passada com a derrota na final para o Sampaio Corrêa Basquete-MA.

Em uma partida extremamente emocionante, em que o time paulista chegou a ter 24 pontos de vantagem, levou a virada e a devolveu no último quarto. Após ter ficado até seis pontos atrás no placar no começo do último quarto (62 a 56), o Corinthians/Americana cresceu no momento mais importante do jogo e virou a série decisiva.

Com Damiris inspirada, dona de 12 pontos no último período, o Corinthians anotou 24 pontos no restante do quarto, contra oito das rivais, e deu um passo fundamental em direção ao título inédito. No total, a pivô corintiana marcou 29 pontos, sendo a cestinha da partida, além de sete rebotes conquistados e três bolas recuperadas.

"Demos um enorme passo na briga pelo título, mas sabemos que não tem nada decidido. Sofremos muito para chegar até Recife, mas isso a usa como força pra vir aqui e ganhar. Temos que jogar ainda melhor no próximo jogo", disse Joice, um dos destaques corintianos com 16 pontos.

"Conseguimos o mais difícil que era recuperar uma desvantagem de 24 pontos. Infelizmente não conseguimos vencer, mas quando se está em uma série como essa precisar estar preparada para tudo. Vamos tentar vencer o Jogo 4, que é de vida ou morte para gente, e forçar o último jogo", declarou a pivô Gil, do Uninassau, dona de 17 pontos nesta sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Basquetebasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.