Arquivo/AE
Arquivo/AE

No Rio, Flamengo e Brasília fazem jogo pelo título do NBB

Equipes se enfrentam a partir das 10 horas no Rio de Janeiro em busca da conquista do torneio nacional

Bruno Lousada - O Estado de S. Paulo,

27 de junho de 2009 | 17h26

Apontar quem será o campeão do basquete brasileiro é um mero exercício de adivinhação. Até porque o equilíbrio é a tônica dos jogos finais do Novo Basquete Brasil (NBB). Com a série empatada em 2 a 2, Flamengo e Brasília fazem neste domingo, na Arena Multiuso, na Barra da Tijuca, a quinta partida da série melhor-de-cinco e decidem quem ficará com o título. A bola laranja vai subir a partir das 10 horas, diante de um ginásio provavelmente lotado e enfeitado de vermelho e preto.

Nos dois últimos anos, os dois clubes se enfrentaram em duas finais: no Estadual do Rio de 2007, quando Brasília representou o Vasco, e no Campeonato Brasileiro de 2008. O Flamengo levou a melhor nas duas oportunidades, mas todos sabem que cada decisão tem sua história e, portanto, não há vantagem para nenhum lado.

O clima de rivalidade aumentou às vésperas da decisão. O motivo: a diretoria do Brasília, por meio de uma nota oficial, aconselhou a torcida a não viajar para o Rio e a assistir ao jogo num telão instalado no ginásio da Asceb, pois "as organizadas cariocas têm tradição histórica de atos violentos".

A diretoria do Flamengo reagiu indignada. Considerou isso um ato muito infeliz e que só gera mais violência. "A arena é segura, confortável e não entendi essa postura dos dirigentes de lá. Isso só cria mais animosidade", rebateu o vice-presidente de esportes olímpicos do clube carioca, João Henrique Areias.

Erguida ao custo de R$ 129 milhões para o Pan-Americano do Rio, a Arena Multiuso será palco pela segunda vez de uma final de basquete - abrigou a decisão dos Jogos de 2007 e o Brasil sagrou-se campeão. Pouco tempo depois, a GL Events passou a administrar a arena e só três eventos esportivos foram realizados lá: o Mundial de Judô, o Rio Champions, circuito de tenistas veteranos, e agora a decisão da NBB. O local passou a receber mais shows musicais, espetáculos e eventos corporativos.

"A arena teria que ter todos os jogos de basquete. Foi feita para isso. A estrutura é a melhor possível e está sendo bom para todo mundo", declarou o ala Marcelinho, do Flamengo, cestinha do NBB 2009 com média de 26,8 por partida. A equipe rubro-negra vai em busca do bicampeonato nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
FlamengoBrasíliaNBBbasquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.