Nova temporada da NBB tem polêmica com final única

Com muita expectativa e uma controvérsia, a Liga Nacional de Basquete (LNB) lançou oficialmente nesta quinta-feira a temporada 2011/2012 do Novo Basquete Brasil (NBB), que começa no próximo dia 19. O maior torneio nacional chega à sua quarta temporada com a inclusão de duas novas equipes (serão 16 no total) e com o basquete em seu melhor momento depois de 16 anos. A cerimônia, realizada na sede do Flamengo, na Gávea, foi marcada pelas homenagens aos atletas e técnicos que conquistaram a vaga olímpica para Londres, em 2012, o que não ocorria desde a disputa de Atlanta, em 1996.

LEONARDO MAIA, Agência Estado

10 Novembro 2011 | 17h28

Mas uma mudança no regulamento causa ponderações diversas entre os participantes. A pedido da Rede Globo, parceira na criação do NBB, a final da competição será disputada em jogo único, em vez de uma série melhor de cinco jogos, como nas edições anteriores. "Eu acho que (um jogo único) é contrário à tradição do basquete. Mas tendo em vista o lado comercial e de marketing da coisa, eu acho válido neste momento. Mas espero que no próximo ano volte a ser como antes", comentou o ala-armador Marcelinho Machado, do Flamengo.

"É uma novidade. Se a mudança vai ser positiva, é uma resposta que só o tempo vai dar. Estamos acostumados com séries de playoffs. Vai ser uma experiência nova para a gente e vamos ver como vai ser", disse Guilherme Giovannoni, ala-pivô do Brasília, atual bicampeão do torneio.

Pontos de vista à parte, todos estão de comum acordo quando o assunto é a revitalização do basquete brasileiro e a consolidação da marca NBB, que chega à quarta edição com a inclusão da Liga Sorocabana, de Sorocaba (SP), e do Tijuca Tênis Clube, do Rio de Janeiro. Na esteira da conquista da vaga olímpica, a expectativa por redobrado interesse do público, ginásios mais cheios e maiores audiências.

Para corresponder ao apoio, os clubes fizeram grande esforço na manutenção ou na renovação de suas equipes, repatriando 24 atletas que atuavam no exterior. Os jogadores prometem empenho máximo para fazer do NBB o espetáculo que os fãs do basquete gostam de ver. "Eu acho que é uma grande oportunidade para o basquete, depois da conquista da vaga olímpica. A responsabilidade sempre é grande, mas os clubes fizeram investimentos importantes e temos que justificar esse investimento", analisou Giovannoni.

Os grandes homenageados foram mesmo os homens que recolocaram o País em uma edição dos Jogos Olímpicos depois de 16 anos de ausência. Giovannoni, Alex, Nezinho, Marcelinho, Caio Torres e Vitor Benite, além dos assistentes técnicos Demétrius e Neto, receberam placas comemorativas do feito das mãos do presidente da LNB, Kouros Monadjemi.

"A sigla NBB hoje é conhecida no Brasil todo. O basquete em si, não só a marca, está evoluindo. Esta temporada com certeza será muito mais emocionante, tecnicamente e como atração", vibrou Monadjemi. A rodada inaugural se dará dupla: o primeiro jogo será entre o estreante Tijuca e o Pinheiros (SP), às 10 horas, no ginásio do Tijuca. Em seguida, o Flamengo enfrenta o Paulistano (SP), no mesmo local.

Mais conteúdo sobre:
basqueteNBBpolêmica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.