Novo Dream Team já está pronto

Sob o comando do técnico George Karl, do Milwaukee Bucks, a seleção masculina de basquete dos Estados Unidos está completa para tentar retomar a hegemonia do Mundial, que começa no fim de agosto, em Indianápolis. Sem contar com um "Dream Team" na edição passada da competição, os norte-americanos ficaram apenas com a terceira colocação na Grécia, atrás de iugoslavos e russos. Os últimos dois convocados foram os alas Ben Wallace, do Detroit Pistons, e Elton Brand, do Los Angeles Clippers. Os destaques são os rivais na final da Conferência Leste da NBA: pelo Boston Celtics, o ala Paul Pierce; pelo New Jersey Nets, o armador Jason Kidd. Pode ser também a despedida do veterano Reggie Miller, armador do Indiana Pacers, que tem 37 anos. Wallace, dos Pistons, foi o melhor reboteiro e bloqueador desta temporada da NBA. Brand também é bom reboteiro, mas tem mais potencial ofensivo do que Wallace. Os outros representantes dos Estados Unidos no Mundial são: Ray Allen, Michael Finley, Shawn Marion, Antonio Davis, Jermaine O´Neal e Raef LaFrentz. Vários jogadores da maior liga de basquete do mundo competirão por seus países, incluindo seis do Dallas Mavericks: fora LaFrentz e Finley, pelos Estados Unidos, Steve Nash compete pelo Canadá, Dirk Nowitzki e Shawn Bradley pela Alemanha, e Wang Zhizhi pela China. Além de Zhizhi, de 2,10 m, a seleção chinesa conta com Yao Ming, de 2,25 m, que deve ser um dos escolhidos pelo draft da NBA em junho. Uma das equipes favoritas ao título é a Iugoslávia, campeã européia que vai buscar o bicampeonato no Mundial. No elenco estão jogadores consagrados como Predrag Drobnjak e Vladimir Radmanovic, que atuam em Seattle; Zeljko Rebraca e Ratko Varda, pelo Detroit, e Peja Stojakovic, que disputa as finais da Conferência Oeste pelo time de Sacramento e foi um dos selecionados para o All-Star Game da NBA. Outros jogadores que devem se destacar no Mundial são o espanhol Pau Gasol, os canadenses Todd MacCulloch e Jamaal Magliore, o turco Hedo Turkoglu e o russo Andrei Kirilenko.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.