Novo técnico da seleção deve ser anunciado em duas semanas

O espanhol Manel Comas é um dos mais cotados para o cargo, mas o presidente da CBB negou a hipótese

Giuliano Villa Nova, O Estado de S. Paulo

04 de janeiro de 2008 | 22h26

Em cerca de duas semanas, o presidente da CBB, Gerasime 'Grego' Bozikis, promete acabar com um mistério que dura três meses e anunciar o novo técnico da seleção brasileira masculina de basquete. Desde a saída de Lula Ferreira, em setembro, depois do no Pré-Olímpico de Las Vegas, o cargo está vago e o próximo ocupante deve ser europeu. Apesar de a decisão ser polêmica, já que o Brasil conta com cerca de 540 técnicos profissionais, há quem defenda a medida. "No momento, é a melhor solução. E será temporária, apenas para tentar a classificação olímpica", pondera Lula, que assumiu o comando do Universo (DF) esta semana. Lula avalia que a ausência de técnico não prejudica o basquete brasileiro. "De que adiantaria, agora, um treinador para a seleção? Estaria só acompanhando os jogadores em ação por seus times, como todo técnico de ponta está fazendo." O espanhol Manel Comas é um dos mais cotados para o cargo, mas o presidente da CBB já negou a hipótese. É bem provável que o novo técnico - possivelmente um espanhol - tenha assistentes brasileiros e se torne consultor da seleção depois do Pré-Olímpico Mundial, de 14 a 20 de junho, na Grécia. Pode ficar mais tempo se classificar o Brasil para Pequim. Lula diz que ainda está decepcionado por não ter conseguido a vaga olímpica e atribui à imprensa - em especial ao Estado de S. Paulo, que na época do Pré-Olímpico noticiou uma crise entre o treinador e os atletas - boa parte dos problemas que enfrentou em Las Vegas. "Foram publicadas informações que não correspondiam à realidade", disse Lula, que estava no posto desde 2003. "Posso ter feito um trabalho ruim, mas sempre honrei o cargo." José Neto, que conquistou o quarto lugar com o Brasil no Mundial Sub-19 na Sérvia, em julho, também está cotado para treinador do time principal. O bom trabalho impressionou os dirigentes da CBB. O Pré-Olímpico terá 12 seleções, na luta por três vagas: Brasil, Canadá, Porto Rico, Camarões, Cabo Verde, Catar, Síria, Nova Zelândia, Grécia, Alemanha, Croácia e Eslovênia. O time masculino não vai aos Jogos desde Atlanta/1996.

Tudo o que sabemos sobre:
seleção brasileira de basqueteCBB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.