Oscar se prepara para viver seu sonho

O ?Mão Santa? Oscar Schmidt, o maior cestinha do basquete brasileiro de todos os tempos, sente-se como se estivesse nos ?últimos dias? de vida, referência ao restante da temporada nacional de basquete, que marca a sua despedida oficial das quadras. Aos 44 anos, ele diz que ?vai morrer pela primeira vez? no dia em que parar, após 31 anos de carreira. Antes, ainda pode chegar aos 48 mil pontos (tem 47.509) e está perto de viver o que define como uma das maiores emoções que poderia ter: jogar ao lado do filho, Felipe, de 16 anos, que estuda nos Estados Unidos. Embora fale, há anos, da vontade de ter uma carreira longa o suficiente para, ?um dia?, estar ao lado do filho na quadra, Oscar não sabia se daria tempo. ?A diferença de idade é tão grande...? Mas Felipe chega quarta-feira ao Brasil, aproveitando a folga de Páscoa na Admiral Farragut Academy, na Flórida, onde estuda e joga desde 2001, para três partidas no Flamengo, o clube do pai, pelo Campeonato Nacional. Leia mais no Estadão

Agencia Estado,

24 Março 2002 | 10h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.