Ourinhos é tetracampeão do Nacional feminino de basquete

Vitória sobre o time de Catanduva acontece na prorrogação, por 82 a 80, fechando a série por 3 jogos a 2

Agência Estado,

03 de março de 2008 | 21h30

Foi suado, mas Ourinhos conseguiu conquistar o tetracampeonato do Nacional feminino de basquete ao vencer Catanduva, na prorrogação, por 82 a 80, na noite desta segunda-feira, em Ourinhos, na última partida da série melhor de cinco, que terminou com a vantagem para o time e Ourinhos por 3 jogos a 2. "O campeonato poderia ter ido para qualquer lado, mas nossa equipe teve muito coração e luta para reverter uma situação difícil", afirmou o técnico Paulo Bassul, que além de Ourinhos, comanda também a seleção brasileira, e fez questão de agradecer à torcida que lotou o Ginásio Monstrinho. "Eles gritaram o tempo todo, foi uma festa muito calorosa, e eles mereciam nosso esforço."A vitória na quinta partida, no entanto, parecia que não aconteceria. Catanduva, que chegou a vencer a série melhor de cinco por 2 jogos a 1, dominou os dois primeiros quartos e abriu boa vantagem no terceiro. Ourinhos, no entanto, contou com o jogo coletivo para levar o jogo à prorrogação com a vitória por 17 a 13 no último quarto.O ritmo dos últimos minutos foi alucinante. Ourinhos vencia por três pontos de vantagem quando a ala Karla, jogando no sacrifício, por causa de uma fissura na tíbia direita, acertou um arremesso e empatou o jogo em 67 a 67. Chuca acertou um arremesso para Ourinhos, Natália virou para Catanduva, e Chuca, em dois lances livres, voltou a empatar o jogo. Com 71 a 71 no placar, as duas equipes cometeram erros nos segundos finais e a partida foi mesmo para a prorrogação.No tempo extra, Ourinhos sofreu com a ausência da cubana Lisdeivi, eliminada por excesso de faltas, e de Iziane, que sentiu uma contusão no ombro, mas teve mais tranqüilidade e esteve o tempo todo à frente do placar. A 14 segundos do fim, a pivô Carina conseguiu um rebote ofensivo e uma bandeja, abrindo quatro pontos - 81 a 77. Karla ainda acertou uma nova cesta de três, a quatro segundos do fim, mas um lance livre de Karen definiu a vitória de Ourinhos."Nunca perdemos a confiança, e conseguimos jogar melhor do que elas", comemorou Lisdeivi. "O técnico sempre tentou colocar o time que estava melhor em quadra, e valeu a vitória", disse a ala Iziane, que atuou apenas 11 minutos no jogo decisivo. A ala-armadora Chuca saiu como a cestinha do jogo, com 26 pontos, enquanto Ariadna marcou 22 por Catanduva."Foi uma decisão digna de nosso basquete feminino. Foram jogos dificílimos e infelizmente não conseguimos ganhar, mas era Ourinhos que tinha a obrigação de ser campeão, e eu fiquei satisfeito com a minha equipe", disse o técnico Edson Ferreto, lamentando o segundo vice-campeonato consecutivo. "A gente está chegando, estamos no caminho certo", disse Karla, que terminou o jogo com 9 pontos, mesmo jogando apenas 10 minutos.

Tudo o que sabemos sobre:
Nacional feminino de basquete

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.