Pat Riley deixa o comando técnico do Miami Heat

Lenda do basquete fica apenas com o cargo de presidente do time que perdeu 67 dos 82 jogos que disputou

Redação,

28 de abril de 2008 | 16h24

A lenda do basquete, Pat Riley, deve anunciou, nesta segunda-feira, sua sáida do cargo de técnico do Miami Heat, que, na temporada regular da NBA, ganhou apenas 15 dos 82 jogos disputados, que foi a pior campanha dentre os 30 times da liga de basquete. Apesar de decisão de deixar o comando técnico do Heat, Riley continua a exercer o cargo de presidente da franquia de Miami. O novo técnico do time é seu assistente, Erik Spoelstra, que chegou a comandar quatro jogos durante a temporada regular, quando Riley viajou em busca de revelações para reforçar o Miami Heat na próxima temporada.Depois de uma reunião com o dono da franquia, Micky Arison, Riley optou por continuar como presidente do Miami e fazer o que mais gosta: garimpar novos talentos e reestruturar a organização.LENDAO técnico Pato Riley ficou famoso à frente do Los Angeles Lakers na década de 80, conquistando quatro títulos, sendo um deles justamente em seu primeiro ano como treinador (temporada 81/82).Depois, o treinador assumiu o New York Knicks, mas não conseguiu conquistar o título da NBA com a equipe de Nova York; o máximo foi o vice-campeonato da temporada 1993/94.Criticado por não levar os Knicks a um título, Riley assumiu o Miami Heat na temporada 95/96, mas optou por deixar a carreira de treinador em 2003.Seu retorno ao banco de reservas, no entanto, foi forçado com a saída do técnico Stan van Gundy. Riley reassumiu o Heat e o conduziu ao título da NBA na temporada 2005/06.Hoje, Riley é o terceiro técnico mais vitorioso da história da NBA, com 1.210 vitórias. O recordista ainda é Lenny Wilkins, ex-Seattle Supersonics e Atlanta Hawks, com 1.332 vitórias. O segundo é Don Nelson (está no comando do Golden State Warriors), com 1.280.Atualizado às 19 horas para acréscimo de informação

Tudo o que sabemos sobre:
Miami HeatPat RileyNBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.