Fiba/Divulgação
Fiba/Divulgação

Petrovic festeja 100% do Brasil no Mundial de Basquete: 'Muitos não acreditavam'

Treinador aproveitou o duelo contra Montenegro para dar mais minutos para jogadores que não tinham jogado muito

Redação, Estadão Conteúdo

05 de setembro de 2019 | 09h54

A seleção brasileira masculina de basquete encerrou a primeira fase do Mundial, que está sendo realizado na China, com três vitórias em três jogos - contra Nova Zelândia, Grécia e Montenegro. Depois do triunfo sobre os montenegrinos nesta quinta-feira, o técnico croata Aleksandar Petrovic festejou os 100% de aproveitamento que o time carregará para a segunda fase, na qual jogará contra República Checa e Estados Unidos.

"Parabéns a todos os jogadores, pois muitos não acreditavam que o Brasil fosse sair desse grupo com os seis pontos. Depois de uma partida tão emocionante contra a Grécia, hoje (quinta-feira) entramos com, não sei, 60% da nossa intensidade, mas foi o suficiente para vencermos esse jogo importante. Tivemos um segundo tempo muito bom contra a Nova Zelândia e 35 minutos contra a Grécia", disse o treinador.

Aleksandar Petrovic destacou a possibilidade de dar tempo de quadra a alguns jogadores que não haviam participado muito dos dois primeiros jogos. "Hoje (quinta-feira) conseguimos administrar com uma certa tranquilidade e uma coisa boa é que tivemos três jogadores que não participaram muito das duas partidas anteriores. Marcelinho, Benite e Felicio ficaram em quadra por mais de 20 minutos e foram bem. Isso é fundamental. Agora é descansar bem porque no sábado já temos a primeira guerra em busca de uma vaga nas quartas de final", afirmou.

Destaque da partida com 16 pontos, Marcelinho Huertas comentou sobre o momento de instabilidade da equipe brasileira no último quarto. "No basquete tudo muda muito rápido, a gente teve três ataques ruins, eles meteram quatro bolas de três pontos. Então temos que ter tranquilidade nessa hora, saber a característica de cada jogador, como eles estão nos atacando e a gente precisa saber se ajustar na quadra, sem depender dos pedidos de tempo do Petrovic. Felizmente conseguimos ajustar no final e sair com a vitória que era o mais importante", analisou.

Apesar de levar as três vitórias para a segunda fase, o armador sabe que o que o Brasil fez na primeira tem de ficar para trás. "Agora é mentalizar o próximo jogo (contra a República Checa). Essa é a oportunidade que a gente tem. Temos que pensar nesse primeiro jogo para só depois pensarmos nos Estados Unidos. É um jogo em que a vitória garante a nossa presença nas quartas de final e isso é um passo muito grande para a vaga olímpica", avaliou o brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.