Samuel Vélez/Fiba Américas
Samuel Vélez/Fiba Américas

Pinheiros arranca com vitória sofrida no quadrangular semifinal da Liga das Américas

Regatas Corrientes desperdiçou dois lances livres a um segundo do final, selando o triunfo brasileiro

O Estado de S. Paulo

07 de março de 2014 | 22h37

MONTEVIDÉU - O Pinheiros sofreu bastante, mas conseguiu arrancar com vitória no quadrangular semifinal da Liga das Américas. Os atuais campeões do torneio superaram o Regatas Corrientes, da Argentina, por 93 a 91 na prorrogação, após empate em 82 pontos no tempo normal. Neste sábado, o time brasileiro enfrenta os donos da casa, o Aguada, a partir das 21h15, com transmissão pelo Fox Sports 2.

O ala-armador norte-americano Shamell foi o cestinha do jogo, com 29 pontos. O compatriota Joe Smith contribuiu com um duplo-duplo (15 pontos e 11 assistências); Jonathan Tavernari, que voltou de lesão, e o ala/pivô Rafael Mineiro também entraram com pontuação de dois dígitos (15 e 12 pontos, respectivamente).

"Vencer esse jogo, pela tradição e currículo que tem a equipe argentina, é muito importante. Estou muito feliz por aquilo que fizemos na quadra. Nós nos recuperamos e superamos o que o Regatas tinha feito no primeiro quarto e isso foi fundamental. Tivemos uma partida inteligente depois do primeiro período, marcamos muito forte. A gente não podia perder a primeira partida", analisa o técnico Claudio Mortari.

O time paulista teve dificuldades para ver a cor da bola no primeiro quarto, que perdeu por 27 a 17, mas deu o troco logo nop segundo quarto, com vitória por 24 a 11.

Mas o Regatas lutou muito e, ancorado na qualidade de jogadores como Paolo Quinteros, autor de 24 pontos, conseguiu empatar a partida e levá-la para a prorrogação.

No tempo extra, o Pinheiros suou frio. A um segundo do final, a arbitragem apitou falta de Shamell. Para felicidade do time brasileiro, o norte-americano Phillip Hopson conseguiu errar os dois arremessos.

Neste sábado, a dificuldade será enfrentar o entusiasmo do Aguada, que tem uma fanática e barulhenta torcida.

"Quando o árbitro apita o início do jogo, não pensamos na torcida. Estamos acostumados. É como jogar, por exemplo, contra o Flamengo, que sempre enche as arquibancadas", observa Mineiro. "Agora, vamos estudar o time deles e entrar muito concentrados. Vamos fortes. Temos que entrar muito focados. Além dos tiros de três pontos, vamos procurar trabalhar ainda mais o jogo dentro do garrafão", conclui o jogador.

 

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteLiga das Américas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.