Pivô chinês causa expectativa nos EUA

A chegada do pivô chinês Yao Ming, de 2,27 m, aos Estados Unidos, gerou muita curiosidade dentro da NBA. Todos querem ver em ação o jogador escolhido como número 1 do draft pelo Houston Rockets. A expectativa é total dos dirigentes do time, para acompanhar seu atleta defendendo a seleção da China no amistoso desta sexta-feira contra os Estados Unidos, no Coliseum de Oakland - as duas equipe se preparam para o Mundial de Indianápolis, que será disputado entre o dia 29 e 8 de setembro. Para os cartolas dos Rockets, Yao Ming poderá ser um novo Hakeem Olajuwon. Rudy Tomjanovich, técnico dos Rockets, vai acompanhar seu atleta. "Poderei ver como reage em situações determinadas", comentou, lembrando no entanto que a forma de jogar na seleção da China não tem nada a ver com o que fará no time da NBA. "Será um jogador completamente diferente quando começar a fazer parte de nossa equipe. Agora, vamos atrás do máximo de informações relacionadas com suas ações em quadra, para visualizar a melhor forma de aproveitá-lo nos Rockets." A presença de Ben Wallace, Antonio Davis, Jermaine O?Neal, Elton Brand e Raef LaFrentz, dentre outros, que defenderão os Estados Unidos, será um bom teste para ver a condição físico-técnica do chinês. Yao Ming já contou que carne é sua refeição predileta, principalmente aquela do Texas. Disse que se sente muito motivado por jogar na equipe onde Olajuwon foi um grande líder e também comentou que comprar um carro é um de seus grandes desejos. A seleção dos Estados Unidos está treinando há seis dias com o técnico George Karl, na região de São Francisco. Para ele, o mais importante de treinar na região é contar com "a oportunidade de ir a alguns dos melhores restaurantes do mundo". Para ele, enfrentar a China será excelente para colocar em prática o que foi feito nos treinamentos. Sua grande preocupação, explicou, é a adaptação às regras internacionais, que incluem a defesa por zona, diferentes da NBA. "Se superarmos a falta de costume com as regras defensivas tenho certeza de que faremos um grande Mundial", disse o técnico norte-americano, que terá estréia no dia 29 contra a Argélia, jogando em seguida com a própria China e a Alemanha (contra quem fará amistoso no domingo, em Portland), pelo grupo C.

Agencia Estado,

22 Agosto 2002 | 20h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.