Nelson Chenault|USA Today Sports
Nelson Chenault|USA Today Sports

Pivô da NBA participa de resgate de camaronesa no Mediterrâneo

Marc Gasol publicou mensagem no Twitter após o ocorrido: "Inacreditável como tantas pessoas vulneráveis são abandonadas para morrer no mar"

EFE, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2018 | 19h48

O pivô espanhol Marc Gasol, que joga no Memphis Grizzlies da NBA, participou nesta terça-feira a bordo de uma embarcação da ONG Proativa Open Armas do resgate de uma mulher camaronesa que viu seu barco naufragar enquanto tentava cruzar o Mar Mediterrâneo para chegar até a Europa.

+ NBA admite busca por maior equilíbrio, mas descarta preocupação com Warriors

+ LeBron James assina oficialmente contrato de 4 temporadas com Los Angeles Lakers

"Frustração, raiva e muita impotência. Inacreditável como tantas pessoas vulneráveis são abandonadas para morrer no mar. Admiração profunda por estes que são meus companheiros de equipe nesses dias @openarms_fund", escreveu o jogador no Twitter.

Em entrevista ao jornal "El País", Gasol explicou que passou a fazer parte da Proactiva Open Arms após conhecer o diretor e fundador da organização, Óscar Camps, no ano passado. No entanto, segundo o jogador, ele não pôde acompanhar o ativista na ocasião porque tinha que disputar o Eurobasket com a seleção espanhola.

Gasol afirmou que as equipes avistaram na manhã desta terça-feira uma embarcação inflável quase totalmente submersa. Quando se aproximou, ele percebeu a camaronesa se segurando em um pedaço de maneira. Ao lado estavam dela os corpos de outra mulher e uma criança.

"Os colocamos a bordo da nossa lancha e depois os levamos ao navio onde os médicos a entenderam. Ela estava em choque, assustada. Dissemos que íamos ajudá-la e soubemos o nome dela", disse ele.

 

Perguntado sobre porque decidiu participar da organização, Gasol citou uma foto que em 2015 percorreu o mundo. A imagem mostrava o corpo de Aylan Kurdi, de apenas 3 anos, sendo carregado por um policial turco em uma praia do litoral do país.

O pivô espanhol disse ter sentido "raiva" ao ver a imagem e afirmou que todas as pessoas devem fazer suas partes quando casos como o de Aylan ocorrerem. Foi quando conheceu a Open Arms.

"Eles me fizeram compreender que esta é uma realidade vivida por muitas crianças de todo o mundo. Fiquei impactado com a convicção, como eles se colocaram à disposição todos os seus recursos econômicos, logísticos, pessoais para ajudar essa gente. Admiro esse tipo de pessoa, as que fazem algo e não esperam que os outros façam", destacou a estrela do basquete espanhol.

Para Gasol, figuras conhecidas, como ele próprio, devem dar o exemplo e mostrar ao mundo a gravidade do que está ocorrendo.

"Quero ser testemunha e salvar pessoas. O risco que eu possa assumir por ser um jogador da NBA vai para o terceiro plano. Não há melhor exemplo do que os voluntários que estão aqui, com quem estou convivendo. Eles têm uma super equipe e você vê que eles fazem tudo para o bem comum", concluiu o pivô. 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.