Reprodução
Reprodução

Pivô dinamarquês de basquete é encontrado morto aos 20 anos

Rasmus Larsen já era presença constante em sua seleção

Estadão Conteúdo

13 de maio de 2015 | 12h52

Uma tragédia deixou o basquete europeu de luto na manhã desta quarta-feira. O jovem pivô Rasmus Larsen, de apenas 20 anos, presença constante nas convocações da seleção dinamarquesa, foi encontrado morto em sua residência na cidade de Jumet, na Bélgica, onde atuava com a camisa do Spirou Charleroi.

O anúncio da morte foi feito pelo clube do jogador, através de seu site. "É uma verdadeira tragédia para sua família e parentes. Estamos todos muito tristes", comentou o técnico Gio Bozzi. "O clube está chocado e expressa suas condolências de coração à família de Rasmus, um bom garoto, popular com os torcedores e com a comissão técnica", dizia a nota.

Rasmus era esperado para um rápido treino pela manhã desta quarta, já que à noite o Spirou Charleroi iniciaria a série de semifinal do Campeonato Belga contra o Ostende, mas não apareceu. Integrantes da comissão técnica, então, foram à casa do pivô e o encontraram morto. Nem o clube e nem a polícia local se manifestaram sobre as causas da morte.

Rasmus Larsen era considerado uma grande promessa do basquete europeu. Ele estreou como profissional na badalada Liga Espanhola, com a camisa do La Bruixa d'Or Manresa, logo aos 18 anos. E em sua primeira temporada, em 2013/2014, foi eleito o melhor jogador da primeira rodada, quebrando alguns recordes do campeonato, ao marcar 21 pontos e 13 rebotes em sua partida de estreia.

O destaque entorno do pivô foi tamanho, que ele chegou a se inscrever para o Draft da NBA de 2014, aos 19 anos, mas desistiu logo em seguida. Rasmus sofreu com lesões no joelho e foi negociado no início da temporada junto ao Spirou Charleroi. Por conta de sua morte, a partida desta noite diante do Ostende foi suspensa.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteRasmus Larsentragédiamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.