Divulgação/ FIBA
Divulgação/ FIBA

Por variante do coronavírus, Colômbia proíbe entrada da seleção de basquete

Equipe enfrentaria Panamá e Paraguai nos dias 21 e 22 de fevereiro, mas os jogos foram cancelados

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2021 | 17h48

A seleção brasileira masculina de basquete foi proibida pelo governo da Colômbia de viajar ao país para a disputa dos últimos compromissos pelas Eliminatórias da Copa América de 2022. O Brasil - que já está classificado para a competição - enfrentaria Panamá e Paraguai nos dias 21 e 22 de fevereiro, mas com a determinação do governo colombiano, os jogos foram cancelados.

O motivo da proibição é a situação da pandemia de covid-19 no País, e a "variante brasileira" do novo coronavírus. "Em 2021, expedimos a resolução 080, de medidas preventivas e de controle sanitário de passageiros provenientes do Brasil por conta do novo coronavírus. Considerando a situação da pandemia atual e a emergência de uma variante no Brasil com um comportamento clínico e epidemiológico diferente, e para salvaguardar o direito à saúde, não poderão ingressar no país", explicou o diretor do Departamento de Epidemiologia da Colômbia, Julián Niño.

Chama especial atenção o fato de que o técnico da seleção brasileira, o croata Aleksandar Petrovic, não ter tido qualquer restrição para entrar na Colômbia. Ele chegou à Cali na segunda-feira, depois de ter saído de Zagreb. Com o veto à seleção brasileira, contudo, ele retornará direto à Croácia.

Segundo a Confederação Brasileira de Basquete (CBB), a entidade foi comunicada da proibição pela federação colombiana da modalidade. O governo daquele país informou na sexta-feira passada que o time brasileiro não poderia ingressar na Colômbia. Nem um apelo junto à Federação Internacional de Basquete (Fiba), que tentou uma liberação especial, surtiu efeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.