Arquivo/Estadão - 10/05/1975
Arquivo/Estadão - 10/05/1975

Primeiro jogo da NBA no Brasil foi em 1975

Seleção brasileira derrotou um combinado da Conferência Leste no Rio - em São Paulo, contra a seleção da Conferência Oeste, os norte-americanos levaram a melhor

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2013 | 19h31

SÃO PAULO - O amistoso entre Chicago Bulls e Washington Wizards, que será neste sábado, no Rio, está sendo anunciado pela própria liga norte-americana profissional como o primeiro da NBA no Brasil. Talvez os próprios marqueteiros da liga não saibam, mas seleções com jogadores da NBA enfrentaram a seleção brasileira duas vezes em 1975, no Rio e em São Paulo. O Brasil, inclusive, venceu a primeira partida, por 91 a 88, com um time formado por Ubiratan, Carioquinha, Adilson, Marquinhos, Fausto, Zé Geraldo e Dodi, entre outros. O time que jogou no Rio era a seleção da Conferência Oeste - tinha jogadores que disputaram o All Star Game, como Bob Dandrige (Milwaukee Bucks), Paul Westphal (Boston Celtics) e Jack Marin (Buffalo Braves), no dia 28 de maio. No Ibirapuera, no dia 30, a seleção da Conferência Leste, mais forte, deu o troco: 88 a 73. A equipe contava, entre outros, com Walt Frazier, que faz parte do Hall da Fama e integrou o esquadrão do New York Knikcs na conquista dos dois únicos títulos da franquia, em 70 e 73.

O evento fez sucesso, mas não chegou a causar comoção - os torcedores brasileiros mal sabiam o que era NBA, e parte dos jogadores do Brasil não identificava quem era quem na equipe. No Ibirapuera, os torcedores, que esperavam ver demonstrações de habilidade semelhantes às do Harlem Globetrotters, até vaiaram os norte-americanos num jogo entre a seleção do Oeste contra a do Leste, no dia 29.

Zé Geraldo, que disputou os Jogos Olímpicos de 68 e fez sucesso no Tênis Clube de São José, acredita que os norte-americanos foram surpreendidos no Rio. "Eles estavam de férias, e realmente quiseram curtir o Rio. Não imaginavam que poderiam encontrar dificuldades contra uma equipe brasileira. A gente ouvia falar em NBA, mas não conhecíamos os jogadores. Eles, então, nem sabiam que a gente existia. Então a gente pegou eles de calças curtas, com contra-ataques muito rápidos com o Carioquinha e o Adilson, bem no nosso estilo".

Os norte-americanos continuaram aproveitando a viagem. Em São Paulo, hospedaram-se no hotel San Raphael, no Largo do Arouche, e foram vistos pela reportagem do Estado comprando discos de samba e dançando na loja. Mas a equipe do Leste, percebendo que o adversário não era bobo, jogou com muito mais seriedade desde o começo.

"Nós jogamos em quatro quartos de 12 minutos, como na NBA. O placar do primeiro quarto terminou em 32 a 10 para eles. A gente não conseguia andar, porque eles eram muito mais fortes. Aqui ninguém tinha o costume de fazer muita musculação. Com a força deles, empurravam a gente fora das posições que queríamos, e legalmente. Antes de começar o segundo quarto, o Zé Cláudio Reis, que era manager na CBB, pediu para eles maneirarem pra não estragarem a festa, porque o Ibirapuera estava lotado com 15 mil torcedores. Mesmo assim ainda ganharam por 15 pontos", recorda o armador Fausto Gianecchini, que é tio do ator Reynaldo Gianecchini.

O pivô Marquinhos, que então jogava na Universidade de Peperdine, na Califórnia, conhecia bem as feras, e se aplicou ao máximo desde o começo. "Eu tinha noção do que nos esperava. Foram partidas muito bacanas. Eu fiquei impressionado com a lealdade deles. Acertei uma cotovelada sem querer no Bob Fox, e voou a ponte dele. Pedi desculpas e ele ainda sorriu, dizendo pra eu ficar tranquilo, que não era nada".

Marquinhos, que se destacou no basquete universitário, vai entrar para o Hall da Fama de Peperdine no próximo dia 20. Ele chegou a ser draftado, na décima posição, em 1976, pelo Portland Trail Blazers, mas não quis ingressar na NBA. "O contrato era arriscado. Se eu machucasse a perna no segundo ano e não pudesse jogar, não receberia salário. E eu teria que abrir mão da seleção brasileira, o que era a minha prioridade. Então decidi jogar na Itália". 

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteNBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.