Jason E. Miczek/AP
Jason E. Miczek/AP

Promotoria da Turquia pede prisão por 4 anos do pivô Enes Kanter, do Knicks

Atleta é acusado de cometer 'injúrias' contra o presidente do país, Recep Tayyip Erdogan e será julgado

Estadão Conteúdo

20 de dezembro de 2017 | 15h34

A Promotoria de Istambul pediu nesta quarta-feira que o pivô Enes Kanter, do New York Knicks, seja preso por pelo menos quatro anos. O jogador da NBA é um crítico fervoroso do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e está sendo acusado de "injúrias" ao político.

+ LeBron brilha, mas Cavs perde para o Bucks em jogo de reviravoltas

O processo contra Kanter foi aberto em junho de 2016, mas somente agora a promotoria da capital turca encerrou a análise do caso e definiu o pedido de prisão do jogador. O próximo passo do caso será um julgamento em ausência do pivô.

Kanter foi processado por postagens realizadas em maio e junho do ano passado em seu Twitter. Nelas, chegou a escrever que Erdogan "encenou um falso golpe de estado", que lhe permitiu promover um "genocídio entre os seus opositores". O jogador ainda acusou o presidente de ser "o Hitler do nosso século".

Por diversas vezes, Kanter atacou publicamente o conservador governo de Erdogan e é um apoiador de Fethullah Gulen, autoexilado nos Estados Unidos e opositor político, considerado pelo governo turco o culpado por uma tentativa de golpe militar em 2015.

Diante disso, Kanter passou a ser perseguido pelo governo turco e chegou a ter mandato de prisão decretado em maio do ano passado, sob alegação de participação em um grupo terrorista. Por isso, o pivô foi detido em um aeroporto na Romênia quando tentava voltar aos Estados Unidos e só conseguiu embarcar no voo dois dias depois.

Também em 2016, Kanter acusou o governo turco de ter prendido e torturado seu pai. Curiosamente, porém, o pai do jogador se pronunciou publicamente contra as opiniões do filho. "Peço desculpas ao povo da Turquia e ao presidente por ter um filho assim. Suas declarações e comportamento são um problema para a família. Eu não teria levado o Enes para treinar basquete nos Estados Unidos se soubesse o que ele se tornaria", disse na época.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.