Raptors explica opção por Caboclo: 'É fenômeno atlético'

Jogador de 18 anos, que sequer é conhecido no Brasil, foi a 20ª escolha da primeira rodada do draft da NBA pelo time canadense

AE, Agência Estado

28 de junho de 2014 | 08h49

O Toronto Raptors surpreendeu no Draft da NBA, realizado na última quinta-feira. Logo na primeira rodada, na 20.ª posição, selecionou o brasileiro Bruno Caboclo, jogador desconhecido inclusive no País e que jamais se firmou como titular do Pinheiros, onde atuava. Mas a franquia canadense mostrou conhecer bem o ala de 18 anos e explicou a escolha.

"Bruno é um fenômeno atlético", resumiu o técnico da equipe, Dwane Casey. "Ele está cru, mas vai ser um garoto que vai se desenvolver em nosso programa, crescer e fazer muitas coisas por nós. Defensivamente, é alto. Ele cobre um grande espaço mesmo parado. Ele bloqueia arremessos com sua extensão."

Caboclo jogou apenas 16 partidas pelo Pinheiros na última temporada, com médias de 4,9 pontos e 3,1 rebotes, mas as estatísticas pouco animadoras não impediram que ele chamasse a atenção do Raptors. O diretor geral da franquia, Masai Ujiri, conheceu o brasileiro quando ele foi MVP (jogador mais valioso) do Basketball Without Borders, um programa para desenvolvimento de jogadores da NBA, há um ano, e desde então veio três vezes ao Brasil para vê-lo atuar.

"Eu disse que iria atrás dos melhores talentos e fizemos isso. Fui ao Brasil três vezes. Nossa equipe foi algumas outras e então nos sentimos confortáveis. A equipe de estatísticas fez um grande trabalho. Tentamos olhar o talento pelo mundo. Basketball Without Borders, primeiramente, onde ele foi MVP, e então continuamos observando-o. Houve um torneio no Brasil em dezembro e nossa equipe achou que ele era intrigante", explicou Ujiri.

Apesar da empolgação com o brasileiro, o próprio dirigente admite que Caboclo levará um tempo para ficar pronto para a NBA. "Ele sabe que vamos desenvolvê-lo e vamos levar tempo. É um processo de aprendizagem. Vamos ter esse tempo e esperar pelo desenvolvimento. Vai levar um tempo para o Bruno, mas tenho certeza que quando o virem sentirão a mesma empolgação que a gente. Ter um jovem como esse, que ama trabalhar, que ama jogar basquete o dia todo... Eu acho que será divertido para nosso time, mais um jogador assim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.