FIBA/Divulgação
FIBA/Divulgação

Raulzinho se diz preparado para enfrentar os jogadores da NBA

Armador busca uma vaga no Draft da NBA, que acontece nesta quinta-feira, em Nova York

GUILHERME DORINI E RENAN FERNANDES, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2013 | 07h53

SÃO PAULO - Após muitos anos de espera, o Brasil pode ter um novo armador na NBA. Trata-se de Raul Neto. O jogador do Lagun Aro, da Espanha, fez uma grande preparação para entrar na liga norte-americana de basquete e se diz pronto para enfrentar qualquer atleta, inclusive seu ídolo Derick Rose, do Chigago Bulls.

Em junho, Raulzinho, como é mais conhecido, foi eleito o jogador mais valioso do Eurocamp, realizado em Treviso, na Itália. O evento contou com os principais prospectos internacionais que vão participar do Draft 2013, nesta quinta-feira.

O Brasil tem se tornado um especialista em revelar jogadores de garrafão como Nenê, Tiago Splitter e Anderson varejão, e já projeta para os próximos anos Fab Mello, Paulão, Lucas Bebê e Augusto Lima. Porém, na armação, os últimos grandes destaques foram Leandrinho e Marcelo Huertas, há mais de 10 anos.

Na última temporada na liga espanhola, Raulzinho acumulou médias de, 8,5 pontos, 2,4 rebotes, 2,9 assistências, 1,1 roubo de bola, em 25 minutos. Além disso, o mais novo jogador a integrar o elenco da seleção brasileira principal no mundial da Turquia, em 2010 e na Olimpíada, em 2012, conseguiu  48,5% de aproveitamento nos arremessos de quadra, 39% de conversão nas bolas de três pontos e 79,2% de acerto nos lances livres.

Confira na íntegra a conversa que o Estado teve com Raulzinho:

ESTADO - Qual sua expectativa pré-draft? Em que posição espera ser selecionado?

Raulzinho: Minha expectativa é a de adquirir experiência nos meus treinamentos e melhorar o máximo possível. Não penso na questão de qual posição vou ser draftado ou se vou ser escolhido, estou feliz com o trabalho que fiz até agora e com minha evolução.

ESTADO - Se for selecionado, você já pensa em ir para a NBA ou prefere desenvolver seu jogo na Espanha?

Raulzinho: Se eu for draftado acho que o time que me escolher vai saber o que vai ser melhor para mim, vou estar preparado para o que eles acharem melhor.

ESTADO - Como sua experiência no Mundial da Turquia e na Olimpíada podem te ajudar no recrutamento?

Raulzinho: O mundial e a Olimpíada me ajudaram a ganhar experiência internacional e me deu a oportunidade de jogar com os melhores jogadores do mundo. Acho que isso me ajudou muito a ser o jogador que sou hoje.

ESTADO - Alguma equipe já entrou em contato com você para treinamentos?

Raulzinho: Nenhuma equipe entrou em contato comigo porque quem conversa com os times é o meu agente, Aylton. Prefiro focar somente em treinar basquete e deixo ele resolver tudo fora das quadras. Sinto me melhor assim.

ESTADO - A NBA tem uma abundância de armadores bons neste momento, você está preparado para enfrentar jogadores como Rose, Rondo e Paul?

Raulzinho: Estou preparado para fazer o meu melhor onde quer que eu esteja jogando. Se for na NBA vou estar preparado para enfrentar os melhores armadores de lá.

ESTADO - A imprensa europeia está falando muito bem de você, chegaram a compará-lo  com o Steve Nash, dos Los Angeles Lakers, e Huertas, do Barcelona, o que pensa disso?

Raulzinho: São excelentes jogadores, fico feliz de ser comparado com jogadores como eles e me motiva muito a treinar para chegar ao nível deles. Tenho que treinar e melhorar muito ainda.

ESTADO - Ainda segundo a imprensa internacional, estão falando que você já teria uma garantia que seria escolhido na segunda rodada. O que há de concreto nisso?

Raulzinho: Não há nada de concreto. Seria um sonho já estar garantido na segunda rodada.

ESTADO - Como começou no basquete?

Raulzinho: Comecei desde pequeno quando ia nos jogos do meu pai Raul Togni Filho que é técnico hoje.  Comecei a treinar com 8 anos na escolinha da Caldense em Poços de Caldas.

ESTADO - Como foi a mudança para a Europa?

Raulzinho: Foi uma mudança difícil. É sempre difícil se adaptar a outra cultura, outra língua. Minha mãe foi junto nas primeiras semanas para ajudar com a mudança e para me dar segurança. Acho que a maior dificuldade foi deixar a família e ir morar sozinho.

ESTADO - Como seria fazer outra mudança, agora pra os Estados Unidos?

Raulzinho: Acho que seria muito parecido como ir morar na Europa. Mas agora já tenho a experiência de morar sozinho e de falar outra língua. Acho que seria um pouco mais fácil.

ESTADO - Já sabe falar inglês? Domina o espanhol?

Raulzinho: Falo um pouco de inglês e já domino bem o espanhol.

ESTADO - Atualmente, quem é seu grande ídolo na NBA? E dos velhos tempos?

Raulzinho: Meu ídolo atual na NBA é o Derrick Rose, e das antigas Michael Jordan.

ESTADO - Por qual franquia você gostaria de jogar?

Raulzinho: Acho que meu sonho de jogar na NBA é muito maior do que a vontade de jogar em algum time específico, então não faço questão de escolher o time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.