Rio vence Uberlândia e leva o Nacional

Oscar Schmidt trocou as quadras pela função de dirigente, mas continua um vencedor. Sua equipe, o Telemar/Rio de Janeiro, formada em agosto do ano passado, sagrou-se campeã brasileira, neste domingo, ao desbancar o Unit/Uberlândia, no ginásio do adversário, por 106 a 92. O time carioca, dirigido pelo técnico Miguel Ângelo da Luz, venceu a série melhor-de-cinco por 3 a 1. O destaque da partida foi o ala Marcelinho, o cestinha, com 34 pontos. Ele ficou muito perto da sua média nos playoffs, que foi de 36,1 pontos por jogo. "Jogamos bem todo o campeonato. Merecemos o título", afirmou Marcelinho, emocionado, ainda na quadra. "Quando a equipe foi formada, diziam que era de velhos, mas acreditamos no projeto apresentado pelo Oscar", desabafou Miguel Ângelo da Luz, campeão mundial com a seleção brasileira feminina em 1994. "Eu estava sem oportunidade, indo embora do País. Trabalhamos muito e revertemos todas as previsões". Outro que não conseguia conter a emoção era o veterano armador Ratto, de 36 anos. "Pensei que ia encerrar a carreira sem o título brasileiro. Agora posso até parar". Se para Ratto esta foi a primeira conquista nacional, Demétrius festejava o sexto título. Os demais foram ganhos pelo jogador quando atuava pela equipe de Franca e pelo Vasco. Ele se iguala ao derrotado Helinho. Aliás, o técnico Hélio Rubens, do Uberlândia, maior vencedor de campeonatos brasileiros e campeão no ano passado, perdeu a oportunidade de ficar com a taça pela décima vez. Antes do início do jogo, muita tensão no ginásio. Oscar ameaçou não colocar seu time em quadra. Ele exigia que todos os itens do regulamento do campeonato, quanto à segurança, fossem respeitados. Inclusive o espaço de dois metros entre a torcida e a quadra. Após 15 minutos, tempo respeitado pela arbitragem, o Rio de Janeiro entrou para a disputa. O primeiro quarto foi o mais disputado e a vitória carioca foi apenas por um ponto: 28 a 27. Com uma forte marcação, a vantagem do Rio de Janeiro aumentou no segundo quarto, fechando o primeiro tempo em 11 pontos: 57 a 46. Como apenas a vitória mantinha a equipe mineira viva na competição, o Uberlândia veio com tudo para o terceiro quarto. Imprimiu um ritmo forte no ataque, com destaque para Rogério (25 pontos) e Helinho (22 pontos). A diferença diminuiu muito e só não foi menor porque o norte-americano Strand converteu uma bola muito longa no último segundo, após enterrada de Estevam. O lance esfriou o Uberlândia para os últimos dez minutos, apesar da vitória no terceiro quarto por 26 a 18. O Telemar veio confiante para o último período. Demétrius e Ratto fizeram um bom trabalho na armação e souberam gastar bem o tempo. Nova vitória carioca por 31 a 20 e o título inédito no seu primeiro ano de vida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.