Divulgação/Houston Rockets
Divulgação/Houston Rockets

Na NBA, Rockets e Wizards anunciam troca de Westbrook por John Wall; há 48 atletas com covid

Os atletas se comparam em questões contratuais, com salários em torno de US$ 41,3 milhões (R$ 216,5 milhões)

Redação, Estadao Conteudo

03 de dezembro de 2020 | 11h00

O mercado de transferências na NBA está quente neste início de dezembro, quando as equipes já se preparam para a temporada 2020/2021, que começará no próximo dia 22. Na noite de quarta-feira, Houston Rockets e Washington Wizards se acertaram e anunciaram a troca de Russell Westbrook, que vai para o time da capital dos EUA, por John Wall e uma escolha de primeira rodada de Draft. A NBA também anunciou que 48 jogadores dos 546 testados na última semana estão com covid-19.

Ambos se comparam em questões contratuais. Westbrook e Wall têm salários em torno de US$ 41,3 milhões (R$ 216,5 milhões) para a próxima temporada, US$ 44,3 milhões (R$ 232,2 milhões) no ano seguinte e US$ 47,4 milhões (R$ 248,4 milhões) em "player option" (opção do jogador) para 2022/2023.

A diferença entre os dois, que faz com que os Wizards acrescentem uma escolha de Draft na troca, é o fato de Wall não jogar uma partida da NBA desde dezembro de 2018 por causa de uma série de lesões que sofreu. A escolha é protegida do Draft de 2023.

Após jogar 11 temporadas no Oklahoma City Thunder, Westbrook, de 32 anos, se transferiu para os Rockets na temporada passada, mas a dupla com James Harden não deu certo. O astro teve médias de 27,2 pontos, 7,9 rebotes e 7 assistências e conviveu com algumas lesões durante o ano. Já Wall, de 30 anos, passou a carreira toda nos Wizards até agora. Na última temporada em que esteve em quadra, a de 2018/2019, ele acumulou médias de 20,7 pontos e 8,7 assistências em 32 jogos.

CORONAVÍRUS

Em meio ao aumento no número de casos da covid-19 nos Estados Unidos, a NBA e a Associação de Jogadores (NBPA, na sigla em inglês) anunciaram que 48 dos 546 testes realizados entre 24 e 30 de novembro deram resultado positivo para a doença. Seguindo as recomendações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), os jogadores que testarem positivo estão entrando em isolamento até serem liberados.

A liga não está planejando usar um ambiente semelhante à "bolha" que foi usada no Complexo da Disney, em Orlando, na Flórida, para o encerramento da última temporada. Assim como aconteceu na MLB (beisebol) e vem acontecendo na NFL (futebol americano), a preocupação da NBA com o novo coronavírus será redobrado quando os jogos voltarem, principalmente após a opção de não realizar a competição em uma "bolha".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.