Seleção de basquete perde para Angola e disputa bronze

A seleção masculina de basquete fazia um bom jogo contra Angola neste sábado, mas acabou tomando a virada e perdeu a semifinal dos Jogos da Lusofonia, jogados em Lisboa. Com a derrota por 80 a 71, o Brasil disputará agora a medalha de bronze contra Portugal, que foi superado pela equipe de Cabo Verde, por 67 a 66, também neste sábado.

AE, Agencia Estado

18 de julho de 2009 | 17h19

Após se classificar para as semifinais com vitórias sobre Angola e Macau, a seleção brasileira parecia poder repetir o triunfo sobre os angolanos para avançar à decisão. No intervalo, vencia por 42 a 31, mas a falta de experiência da equipe nacional pesou e a virada veio até com certa facilidade.

Para o auxiliar-técnico José Alves Neto, que comanda a seleção em Portugal, a melhora de Angola no segundo tempo também foi determinante. "Fizemos um excelente primeiro tempo, tanto no ataque como na defesa, e tínhamos o domínio da partida. Na etapa final, os angolanos fizeram uma defesa forte, com muito vigor físico, e isso dificultou o nosso jogo", disse Neto.

Mesmo com a derrota, o armador Fúlvio se destacou pelo Brasil, marcando 16 pontos. O cestinha da partida, porém, foi o angolano Olimpio Cipriano, com 19 pontos. Jéferson e Olivinha também foram bem, anotando 10 e nove pontos, respectivamente, e o pivô Paulão dominou o garrafão, com oito pontos e 11 rebotes.

A decisão do terceiro lugar contra os portugueses será neste domingo, às 10h45 (de Brasília). No último domingo, as duas equipes já jogaram pela final do Torneio Internacional de Almada, também em Portugal, e o Brasil venceu por 77 a 73. "A disputa do bronze contra Portugal também será difícil e equilibrada, como foi na final do Torneio de Almada", lembrou Neto.

Nos Jogos da Lusofonia, o Brasil vem atuando com uma equipe de segundo escalão. Já o time principal foi convocado pelo técnico Moncho Monsalve para a disputa da Copa América, que vale vaga para o Mundial da Turquia, em 2010. O elenco comandado por Neto ainda jogará o Torneio Super Four, na Argentina, mas apenas poucos jogadores serão aproveitados na equipe principal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.