Divulgação
Divulgação

Seleção feminina de basquete bate Cuba e está no Mundial

Brasil ganha a partida por 79 a 59 em Cuiabá a está na decisão da Copa América, que acontece neste domingo

Alan Rafael Villaverde - estadao.com.br,

26 de setembro de 2009 | 22h13

A seleção feminina de basquete venceu a rival Cuba por 79 a 59 na noite deste sábado, em Cuiabá, e assegurou vaga à final da Copa América, que será diante da Argentina, que na outra semi superou o Canadá por 63 a 53. A decisão é neste domingo, às 21h30 (de Brasília), com transmissão do SporTV 2.

Veja também:

especialCOPA AMÉRICA - Leia mais sobre o torneio

Além da vaga na final da competição, o Brasil garantiu seu lugar no Mundial de 2010, na República Checa, mantendo o planejamento do técnico Paulo Bassul, assim como da diretoria Hortência, vivo para a segunda etapa: a reformulação do elenco. Jogadoras experientes como Alessandra e Helen, que foram convocadas para a Copa América, devem abrir espaço para novas atletas, mas de forma graduada, visando a disputa das Olimpíadas de 2012, em Londres.

A conquista de seu lugar na final, no entanto, não veio com facilidade. A seleção brasileira entrou em quadra nervosa, errando demais na armação de jogadas. Assim, Cuba abriu 10 a 2 e deu impressão de que sairia de Cuiabá com a vitória. Aos poucos, no entanto, o time brasileiro melhorou; em parte pela entrada de Alessandra, dando mais consistência à marcação no garrafão. Resultado disto foi a virada brasileira, que fechou o primeiro quarto após uma seqüência de 19 pontos contra três das adversárias: 21 a 13.

  OS JOGOS EM CUIABÁ
   FASE FINAL

 Sábado, 26/9 

 SEMIFINAIS

 Brasil 79 x 59 Cuba

 

Argentina 63 x 53 Canadá 

 5.º AO 8.º LUGAR

 Porto Rico 74 x 53 Venezuela

 Chile 72 x 58 Rep. Dominicana

Domingo, 27/9

15h30 - 7.° lugar - Venezuela x Rep. Dominicana

17h30 - 5.° lugar - Porto Rico x Cile

19h30 - 3.° lugar - Cuba x Canadá

21h30 - Final - Brasil x Argentina

O segundo quarto foi a repetição do primeiro. Mais atenta, Cuba chegou a empatar o jogo. Coube ao técnico Paulo Bassul mais uma bronca e o pedido de melhoria na rotação das jogadoras no ataque, o que foi suficiente para fechar com uma vantagem de seis pontos.

A desatenção não voltou a atrapalhar os planos da seleção, que melhorou sua marcação e passou a aproveitar todos os contra-ataques criados para abrir uma vantagem confortável de 18 pontos a partir da metade do terceiro quarto, garantindo a vitória sobre as rivais históricas.

NÚMEROS

Ao contrário dos outros jogos, a seleção brasileira soube aproveitar os arremessos de lances livres, com 75% de aproveitamento. Os arremessos da linha dos três pontos também foram bons, na casa dos 53%.

No individual, o destaque foi a veterana Helen, com 24 pontos, e aproveitamento de 75% dos três pontos (seis acertos em oito tentativas). "Enquanto eu tiver condições de ajudar a seleção, eu estarei aqui. Eu amo vestir esta camisa e sempre estarei disposta a jogar, desde que esteja 100%’, disse a jogadora.

Adrianinha também jogou bem, com 12 pontos e cinco assistências, enquanto o destaque pelo lado cubano foi Gelis Gonzalez, com 11 pontos e três rebotes.

(Atualizado às 0h35)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.