Divulgação
Divulgação

Basquete feminino encara times masculinos antes do Rio

Seleção brasileira enfrenta elencos de categorias inferiores

Estadão Conteúdo

13 de junho de 2016 | 10h30

Treinando desde o comecinho de maio para os Jogos Olímpicos do Rio, que serão em agosto, a seleção brasileira feminina de basquete está em uma fase dos trabalhos na qual precisa realizar atividades amistosas. Mas, sem a possibilidade de viajar ao exterior para encarar seleções estrangeiras, a solução foi marcar partidas contra times masculinos de categorias inferiores.

No domingo, por exemplo, o Brasil encerrou o time sub-19 de Valinhos, cidade do interior de São Paulo, próxima a Campinas, base dos treinos da seleção. O jogo-treino teve três períodos de 15 minutos e foi vencido pelas meninas, por 86 a 73.

"É sempre bom sair da rotina de treinamentos e fazer jogos amistosos contra equipes masculinas. Realizamos esse primeiro contra um time sub-19 por ser sempre mais difícil, pois são homens maiores, com mais envergadura e que saltam mais. Foi um ótimo jogo-treino", comentou o técnico Antonio Carlos Barbosa.

Na atividade, ele contou pela primeira vez com a pivô Damiris, que decidiu, por questões pessoais, não disputar a WNBA nesta temporada e se apresentou mais cedo que o previsto na seleção. Ela fez 16 pontos e foi o destaque do jogo-treino. Quem também atuou foi a armadora Adrianinha, recuperada de lesão.

Depois de enfrentar o sub-19 de Valinhos, a seleção feminina ainda joga contra o sub-17 do Nosso Clube de Limeira, o sub-17 do Jundiaí Basquete e, por fim, o Sub-17 do Campinas Basquete Clube.

"Faremos essas três partidas na casa dos adversários. Essa saída também é importante porque você mostra a seleção brasileira na região que está treinando. São situações boas na divulgação do basquete feminino. Além disso, mesmo que as equipes tenham um nível técnico inferior às seleções internacionais que enfrentaremos na Olimpíada, temos o confronto físico que é muito importante nessa fase da preparação", concluiu o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.