Divulgação
Divulgação

Sem espaço nos Raptors, Caboclo é reenviado  à D-League

Selecionado no último draft, brasileiro pouco entrou em quadra com a camisa do time canadense, que faz boa campanha na temporada

Estadão Conteúdo

18 de fevereiro de 2015 | 15h21

Sem espaço neste seu início de trajetória na NBA, o ala brasileiro Bruno Caboclo foi recolocado pelo Toronto Raptors na liga de desenvolvimento do basquete norte-americano, a chamada D-League. O jogador segue vinculado à franquia canadense, mas atuará pelo Fort Wayne Mad Ants por tempo indeterminado.

Coincidência ou não, a decisão acontece dias após o jogador ter sido flagrado ao lado do outro brasileiro do elenco do Raptors, Lucas Bebê, nos camarotes da Sapucaí acompanhando os desfiles de carnaval do Rio. Os dois estavam de folga, mas a atitude gerou repercussão no Canadá e teria desagradado os dirigentes da franquia.

O Raptors já havia adotado a mesma postura no fim do ano passado, quando enviou Caboclo ao Mad Ants por quatro dias, entre 27 e 30 de dezembro. Em três jogos, ele teve médias de 4,3 pontos, 2,7 rebotes e 13 minutos em quadra, até ser chamado de volta pela franquia no início de janeiro.

Caboclo jogará pela equipe que serve como uma espécie de filial do Raptors na D-League. Ele continuará sendo observado de perto pela comissão técnica canadense, que analisará sua evolução na liga de desenvolvimento.

A D-League serve para jogadores que não têm espaço na NBA mostrarem trabalho, mas também para atletas muito jovens, considerados crus, ganharem experiência. Este é o caso de Caboclo, uma vez que o Raptors aposta alto no jogador. Tanto, que o escolheu na primeira rodada do Draft do ano passado.

Em seu primeiro ano na NBA, o ala brasileiro de 19 anos participou de somente três partidas até o momento, somando um total de 16 minutos em quadra. Sua melhor atuação aconteceu justamente na estreia, quando marcou oito pontos nos 12 minutos em que atuou contra o Milwaukee Bucks. De lá para cá, foram quatro minutos divididos em três partidas, mas ele não pontuou mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.