Reprodução/NBB Twitter
Reprodução/NBB Twitter

'Sentia saudades de jogar no Brasil', diz Varejão, o MVP do Jogo das Estrelas

Evento foi realizado neste domingo pela manhã e terminou com a vitória dos brasileiros por 130 a 121

Estadão Conteúdo

18 de março de 2018 | 19h38

Depois de participar pela primeira vez de um Jogo das Estrelas da LNB (Liga Nacional de Basquete) e ser eleito o MVP (jogador mais valioso) da partida em que sua equipe, o NBB Brasil, derrotou por 130 a 121 o NBB Mundo, formado por estrangeiros, o pivô Anderson Varejão comemorou o prêmio e o fato de poder jogar novamente em casa. O evento foi realizado na manhã deste domingo, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

+ Leia mais notícias sobre basquete

+ Brasileiros vencem os estrangeiros e retomam a coroa no Jogo das Estrelas do NBB

+ Com criação da liga e retomada, NBB cresce oito vezes em dez anos

"A LNB está em um momento muito bacana, crescendo a cada ano, por isso tomei a decisão de voltar para o Brasil. Eu tinha ofertas da Europa e até da NBA, mas que não eram tão atrativas, mas voltei porque acredito no NBB, acredito no que vem sendo feito e, mais do que isso, sentia saudades de jogar no Brasil", disse Varejão.

O pivô do Flamengo retornou ao País no meio desta temporada após 16 anos fora, sendo 14 apenas na NBA. Em sua estreia no Jogo das Estrelas da liga nacional, anotou 18 pontos e pegou 15 rebotes. Titular do NBB Brasil, o camisa 17 foi quem permaneceu por mais tempo em quadra, com pouco mais de 22 minutos.

"Da mesma forma que ganhei o MVP, outros do NBB Brasil também fizeram excelentes partidas e poderiam ter ganhado. Peguei alguns rebotes a mais, ajudei bastante ali no final com alguns rebotes ofensivos. Mas o importante é que o NBB Brasil ganhou depois de dois anos. Precisávamos dessa vitória, felizmente conseguimos", afirmou Varejão.

Após ver os estrangeiros vencerem o confronto nas duas últimas temporadas, os brasileiros retomaram a coroa e ampliaram sua vantagem no retrospecto histórico: foram cinco vitórias (2018, 2015, 2014, 2013 e 2012) e três derrotas (2017, 2016 e 2011).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.