Nathan Denette/AP
Nathan Denette/AP

Serge Ibaka supera luto e vida nas ruas do Congo até título da NBA

Ibaka perdeu a mãe aos oito anos, viu o pai ser preso e hoje comemora o título de campeão da NBA, mas ainda quer mais

Redação, The New York Times

23 de janeiro de 2020 | 04h30

Quando Serge Ibaka fez sua viagem anual de verão para visitar seu lar na República do Congo, o itinerário da visita foi semelhante ao das anteriores. Passou o tempo com parentes e amigos. Ofereceu cursos de basquete para jovens, parte do trabalho com a Fundação Serge Ibaka. Mas, dessa vez, Ibaka, que joga pelo Toronto Raptors, voltava como campeão da NBA, trazendo consigo o troféu. E se a visita incluiu um encontro com o presidente, o ponto alto da jornada ocorreu em um restaurante.

A mãe de Ibaka morreu quando ele tinha oito anos. Sete anos depois, durante um período de caos no Congo, o pai foi colocado na prisão. Ele se viu vivendo nas ruas da capital, Brazzaville, e visitava o restaurante na esperança de ganhar sobras. Agora, de volta pela primeira vez desde o dia em que fugiu do país, ele pagou pelo próprio pedido. A chegada dele atraiu uma multidão. Sentou-se com o troféu, pediu um prato de frango com banana-da-terra, e disse ao dono do estabelecimento que pagaria o almoço de todo mundo.

“É parte da minha história, do meu passado. Não quero esquecer", disse Ibaka. “Quero pensar em tudo que aconteceu para poder lembrar de onde vim e agradecer por tudo que conquistei.” Quando Kawhi Leonard foi à linha de lance-livre nos segundos finais do sexto jogo das finais da NBA, em junho, Ibaka estava na quadra, com as mãos na cabeça, incrédulo. Os Raptors estavam prestes a conquistar seu primeiro título da NBA. Ibaka disse que, naquele momento, permitiu-se visualizar a própria trajetória.

“Um moleque do Congo", disse ele, “que costumava aparecer por aqui varrendo as ruas, pedindo dinheiro, pedindo comida. Costumava jogar basquete descalço. Hoje, esse moleque é campeão.” Em sua 11.ª temporada na liga, Ibaka viu seu papel em quadra evoluir.

Quando entrou para a NBA, era visto como um jogador único, capaz de marcar diferentes posições. Suas habilidades lhe renderam três anos consecutivos de escolhas para os melhores jogadores defensivos da NBA, entre 2012 e 2014; em duas dessas temporadas, ele foi o líder do campeonato em tocos.

Durante a temporada passada do Toronto, Ibaka foi reserva em todos os 24 jogos dos playoffs, cedendo a vaga de titular depois que os Raptors contrataram Marc Gasol. Ainda assim, a participação de Ibaka foi fundamental em diferentes momentos. Nas finais disputadas contra o Golden State, ele marcou mais de 10 pontos nos três últimos jogos da série.

Fora das quadras, a evolução de Ibaka também foi visível. Jordi Vila, atualmente empresário dele, conheceu Ibaka quando o jogador chegou à Espanha aos 17 anos, ainda precisando crescer mais. Vila lembra da obsessiva dedicação do jogador à meta de jogar na NBA. Sua rotina de treinos reservava pouco tempo para o descanso, mesmo após o fim do campeonato. Ibaka, 30 anos, admite que está finalmente se permitindo aproveitar um pouco a vida. “Amadureci o bastante para entender que consigo encontrar tempo para outras atividades sem perder meu foco no basquete", disse ele.

Em Toronto, onde Ibaka joga há três anos, ele começou a revelar mais de sua personalidade: grava vídeos de karaokê com os colegas de equipe, e lançou recentemente uma série de moda para a internet, dando ao parceiro de time Fred VanVleet uma repaginada no estilo no episódio de estreia. Em seu programa de culinária, How Hungry Are You?, podemos vê-lo fazendo piada com os amigos e algumas celebridades, chegando ao ponto de convencer o discreto Leonard a fazer uma participação.

Ibaka era um dos melhores amigos de Leonard na equipe. Quando Leonard assinou contrato com os Los Angeles Clippers em meados do ano passado, ele entendeu a decisão do colega, que optou por voltar para casa. Com a saída dele, os Raptors se viram em uma posição incomum: uma equipe campeã que perdeu seu principal jogador. O contrato de Ibaka chegará ao fim quando a temporada atual terminar. 

Ele pretende jogar por, pelo menos, mais cinco anos. A conquista do título fez valer a pena todo o seu esforço. “Não há mais nada que eu possa pedir", disse Ibaka. “Tudo vai muito bem na minha vida. Mas, agora que conheço a sensação de ser campeão, quero mais.” / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.