Ronald Martínez / AFP
Ronald Martínez / AFP

Sexto maior cestinha da história da NBA, Nowitzki brilha e confirma aposentadoria

Dwyane Wade também dá adeus ao basquete profissional em derrota do Miami Heat

Redação, Estadão Conteúdo

10 de abril de 2019 | 11h26

Sexto maior cestinha da história da NBA, o alemão Dirk Nowitzki, de 40 anos, brilhou pelo Dallas Mavericks, com 30 pontos, e liderou a sua equipe na vitória por 120 a 109, em casa, na noite de terça-feira, no último compromisso da equipe como mandante nesta edição da liga de basquete dos Estados Unidos. E, logo após o confronto, confirmou a sua aposentadoria em uma noite na qual foi às lágrimas ao receber várias homenagens e discursar para os torcedores do time onde se tornou um ídolo histórico.

Também o maior cestinha estrangeiro da NBA em todos os tempos, Nowitzki contabiliza 31.540 pontos ao longo de 21 temporadas pelos Mavericks na competição, na qual ainda lhe falta um jogo a disputar, nesta quarta-feira, fora de casa, no clássico do Texas contra o San Antonio Spurs.

Com essa expressiva pontuação, ele só está atrás na história da NBA, no ranking dos maiores cestinhas, de Michael Jordan (32.292 pontos), LeBron James (32.543), Kobe Bryant (33.643), Karl Malone (36.928) e Kareem Abdul-Jabbar (38.387).

Afastado dos 26 primeiros jogos da franquia de Dallas nesta edição da NBA por causa de uma cirurgia no tornozelo, o ala/pivô de 2,13m pegou o microfone no centro da quadra após o duelo desta terça, com os holofotes somente sobre ele, avisou aos torcedores: "Como vocês já deveriam saber, esse foi o meu último jogo dentro de casa".

Interrompido com uma série de aplausos logo após fazer o anúncio, Nowitzki foi às lágrimas e, em uma demonstração clara de sua importância para a história da NBA, ele foi homenageado em quadra, após o jogo desta terça, por alguns dos seus principais ídolos de infância e lendas do basquete, entre os quais Charles Barkley, Scottie Pippen e Larry Bird. Shawn Kemp e seu compatriota Detlef Schrempf foram outros dois presentes no ginásio American Airlines Center.

"Isso é, obviamente, super, super emocionante. Há muitas tempos a quem devo dar o meu agradecimento", afirmou o alemão, que depois ressaltou aos torcedores: "Tivemos uma grande aventura, com muitos altos e baixos, e vocês sempre se mantiveram ao meu lado e apoiaram".

Nowitzki também retribuiu as homenagens que recebeu de seus ídolos nesta cerimônia ocorrida após a partida. "É incrível que meu heróis vieram aqui para este jogo. Agradeço muito a vocês por isso. Eu amo vocês. Cresci assistindo a vocês e idolatrando vocês, então isso significa mais do que vocês poderão imaginar", disse o alemão, emocionado.

Nas dependências do ginásio do Mavericks, a grande maioria dos torcedores presentes nas 20 mil cadeiras formaram um grande mural para formar o rosto do ídolo, que também divide com os ex-jogadores Robert Parish, Kevin Willis, Kevin Garnett e Vince Carter o recorde de ter conseguido atuar por 21 campeonatos seguidos na NBA.

Em sua longa trajetória de mais de duas décadas na elite máxima do basquete, Nowitzki tornou o primeiro europeu a ganhar o prêmio de jogador mais valioso (MVP), na temporada 2006/2007, sendo que se sagrou campeão da NBA na temporada 2010/2011, quando também foi eleito o melhor jogador das finais contra o Miami Heat, batido por 4 a 2 na série melhor de sete partidas da decisão.

Com a atuação decisiva desta terça, Nowitzki conduziu o Mavericks a faturar a sua 33ª vitória em 81 jogos, retrospecto que deixa o time 12º lugar da Conferência Oeste. A equipe não tem mais chances de avançar aos playoffs, que ainda falta definir o último dos 16 classificados.

QUASE LÁ

O Detroit Pistons deu um importante passo para garantir esta vaga final ao superar o Memphis Grizzlies por 100 a 93, em casa, em outro duelo desta terça. Na oitava posição da Conferência Leste, o time hoje fecha a zona de acesso à próxima fase, com 40 vitórias e 41 derrotas.

No seu último jogo pela temporada regular, enfrentará o lanterna New York Knicks, fora de casa. E o único time pode tirar a vaga do Detroit é o Charlotte Hornets, que venceu o Cleveland Cavaliers por 124 a 97, em outro duelo desta terça, e terminará esta fase contra o Orlando Magic, na quadra do rival, onde precisa ganhar e ainda torcer por uma derrota dos Pistons.

Pelo lado dos Grizzlies neste jogo contra o time de Detroit, o brasileiro Bruno Caboclo pontuou 15 vezes e terminou o duelo como cestinha do time, ao lado de Delon Wright.

WADE TAMBÉM DÁ ADEUS

A vitória dos Pistons também acabou selando a despedida do ídolo Dwyane Wade ao Miami Heat em um jogo dentro da casa da equipe da Flórida, pois acabou com a chance de a franquia avançar aos playoffs. Ele foi o autor de 30 pontos pelo Heat na vitória por 122 a 99 sobre o Philadelphia 76ers e terminou o confronto como maior cestinha. Aos 37 anos, Wade já havia anunciado, em setembro passado, que esta seria a sua temporada de despedida da NBA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.