Reuters
Reuters

Shaquille O'Neal, Yao Ming e Iverson são confirmados no Hall da Fama do Basquete

Cerimônia para inclusão de 10 novos membros será em setembro

Estadão Conteúdo

04 de abril de 2016 | 14h52

Três dos maiores astros do basquete no fim dos anos 90 e início dos anos 2000 receberam o merecido reconhecimento e foram confirmados nesta segunda-feira como integrantes da classe de 2016 do Hall da Fama da modalidade. Allen Iverson, Yao Ming e Shaquille O'Neal estão entre os 10 novos nomes que receberão a honraria na cerimônia que acontecerá em setembro.

Iverson, Yao Ming e O'Neal foram três dos principais jogadores da modalidade na virada do século e a indicação de seus nomes para o Hall da Fama era considerada certa. Agora, eles se juntam a grandes ícones da história do basquete, incluindo os brasileiros Oscar Schmidt, Ubiratan Maciel e Hortência, únicos representantes do País.

Entre os novos indicados, o grande destaque é Shaquille O'Neal. Um dos jogadores mais dominantes da história, o ex-pivô se destacava que porte físico e o ótimo jogo no garrafão. Foi quatro vezes campeão da NBA (1999/2000, 2000/2001 e 2001/2002 com o Los Angeles Lakers e 2005/2006 pelo Miami Heat), disputou 15 vezes o All-Star Game e foi o MVP (jogador mais valioso) da temporada de 1999/2000 e das finais de 1999/2000, 2000/2001 e 2001/2002.

Além de Lakers e Heat, O'Neal defendeu as cores do Orlando Magic, do Phoenix Suns, do Cleveland Cavaliers e do Boston Celtics, além da seleção norte-americana, com a qual conquistou o ouro na Olimpíada de Atlanta, em 1996. Terminou a carreira com médias de 23,7 pontos, 10,9 rebotes e 2,3 tocos por jogo.

Se O'Neal era dominante perto da cesta, Allen Iverson foi um dos armadores mais letais que a NBA já viu, capaz de levar um time sem grandes estrelas como o Philadelphia 76ers à final da temporada 2000/2001, sendo batido somente pelo Lakers. Naquele ano, foi o MVP da liga. Atuou 11 vezes no All-Star Game, conquistou a medalha de bronze na Olimpíada de Atenas, em 2004, e defendeu ainda o Denver Nuggets, o Detroit Pistons e o Memphis Grizzlies. Deixou as quadras com médias de 26,7 pontos e 6,2 assistências por jogo.

Já o chinês Yao Ming teve uma carreira bem mais curta que o esperado, abreviada por lesões no pé e no tornozelo. Atuou por nove anos na NBA, todos pelo Houston Rockets, sendo que só nos primeiros três se viu livre dos problemas físicos. Foi o primeiro escolhido no Draft de 2002, atuou oito vezes no All-Star Game e mostrou um jogo refinado de garrafão. Mas mais do que tudo isso, foi o grande responsável pela abertura de mercado da liga norte-americana na Ásia, em especial na China.

Os três ex-jogadores terão a companhia na classe de 2016 do Hall da Fama do ex-dono do Chicago Bulls Jerry Reinsdorf, da ex-jogadora Sheryl Swoopes, dos ex-técnicos Tom Izzo e John McLendon, do ex-árbitro Darell Garretson e dos ex-atletas Zelmo Beatty e Cumberland Posey.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.