Wado Pellizoni/Divulgação
Wado Pellizoni/Divulgação

Sport leva a melhor em Americana e está a uma vitória do título da LBF

Equipe pernambucana supera o time de Zanon, que jogou com grande nervosismo, e se aproxima do título nacional, que não sai de São Paulo desde 2002

O Estado de S. Paulo

30 de março de 2013 | 16h16

SÃO PAULO - Um duelo entre a maior qualidade técnica individual do Sport contra o bom conjunto de Americana, comandado há três anos pelo agora técnico da seleção brasileira. Assim se anunciava o primeiro jogo da série final da Liga de Basquete Feminino. Mas o que se viu no Centro Cívico, em Americana, foi um nível técnico oscilante (e preocupante) das duas equipes e um nervosismo que fizeram ruir todo o padrão de jogo da equipe do interior paulista. No final, o time pernambucano levou a melhor por 54 a 44 (20 a 26 no primeiro tempo). Se vencer novamente no próximo sábado, no ginásio da Ilha do Retiro, o Sport vai tirar de São Paulo o título da LBF pela primeira vez. Aliás, desde 2001, quando o Vasco da Gama foi campeão do Nacional, apenas equipes paulistas são campeãs brasileiras.

"Nunca, na minha história em Americana, tivemos um placar tão baixo. As jogadoras estavam tensas, alguma coisa as estava incomodando. Nossas laterais e armadoras estavam jogando com muita ansiedade, errando arremessos fáceis. Elas se desestruturaram", lamentou o treinador de Americana, Luiz Zanon, em entrevista ao SporTV.

Americana ainda venceu o primeiro quarto. Era o Sport que jogava de forma mais coletiva, mas Clarissa, que no final da partida foi a cestinha do jogo, com 17 pontos, ao lado da norte-americana Alex, equilibrou as ações e conseguiu deixar o time paulista na liderança ao final dos dez primeiros minutos (17 a 15).

O segundo quarto foi um festival de ruindade, e demonstrou como será dura a missão de Zanon à frente da seleção brasileira. Americana foi um pouco menos incompetente, e venceu a parcial por 9 a 5. As donas da casa fecharam assim o primeiro tempo com seis pontos de vantagem.

Após o intervalo, as duas equipes produziram melhor, superando o quadro de descalabro técnico. Mas Clarissa cometeu a quarta falta e foi sacada por Zanon. O Sport aproveitou esse momento, assim como se beneficiou de erros seguidos do adversário, e conseguiu a virada (40 a 39).

O Sport se estabilizou no último quarto, ajudado pelo desepero do adversário, e manteve sua boa produtividade, com destaque para Alex, Palmira e Adrianinha. No final, as jogadoras do Leão da Ilha, como é conhecido o time de Recife, festejaram com os torcedores da Leões de Sampa, formada por pernambucanos residentes em São Paulo, entoando cânticos.

“A nossa marcação cresceu no segundo tempo e isso foi determinante para que conquistássemos a vitória neste primeiro jogo, que foi muito duro. Eu não estive tão bem no aspecto ofensivo, mas pude aparecer em momentos importantes para ajudar a equipe a sair com o resultado positivo”, comentou Palmira, do Sport.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.