Tarallo é o novo técnico da seleção feminina de basquete

Técnico das categorias de base da seleção substitui Ênio Vecchi, que não teve contrato renovado

AE, Agência Estado

16 de dezembro de 2011 | 19h05

SÃO PAULO - Um dia depois de anunciar que não renovaria o contrato com Ênio Vecchi, a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) anunciou que Luiz Cláudio Tarallo será o técnico da seleção feminina nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. A escolha coincide com o discurso da entidade, que deseja dar maior atenção às atletas de base num projeto até os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. O treinador vem de um bom trabalho com a seleção sub-19, que foi bronze no Mundial da categoria este ano, seu melhor resultado histórico.

Tarallo, de 45 anos, construiu sua carreira nas categorias de base da seleção brasileira. Entre suas conquistas estão o ouro nos Jogos Sul-Americanos de 2010, e a pratas nas Copa América Sub-18, de 2010, e Sub-20, de 2006. Tarallo comandava ainda o Divino Salvador, time de Jundiaí, que é atual tetracampeão paulista juvenil. Ali, revelou Damiris Dantas, que agora está no Celta, da Espanha, e que foi a MVP do Mundial Sub-19 deste ano, sendo considerada uma das jogadoras mais promissoras do mundo.

"Com certeza é um grande desafio e uma honra desenvolver um trabalho na seleção brasileira. Estou contente com o fato de eu estar a frente da seleção, mas muito mais pelo projeto que está para ser desenvolvido, que é a continuação do trabalho de base. Conto com o apoio das jogadoras, dirigentes e de todos envolvidos com o basquete brasileiro para desenvolver esse trabalho", disse Tarallo, que agradeceu o apoio dado pelo Divino e pela prefeitura de Jundiaí.

Hortência Marcari, diretora da CBB, explicou a opção por Tarallo. "Dentro desse novo realinhamento da CBB, resolvemos apostar no Tarallo, que é um técnico que possui a experiência em três mundiais juvenis, já foi assistente do adulto, e está com as seleções há bastante tempo, além de conhecer a nossa linha de trabalho. Dentro desse trabalho com a base, ele conhece as novas atletas que estão despontando internacionalmente e pode ajudar no desenvolvimento do ciclo até 2016", analisou a ex-jogadora.

Já o presidente Carlos Nunes agradeceu o trabalho desenvolvido por Ênio Vecchi, que ficou à frente da seleção por um ano, comandando a equipe na conquista do Pré-Olímpico e no frustrante terceiro lugar no Pan de Guadalajara. "Temos muito a agradecer pelo trabalho realizado pelo Ênio, mas fizemos inúmeras reuniões que nos levaram a fazer um realinhamento para o ciclo até 2016. Confiamos 100% no Tarallo, que assume agora o comando com o objetivo de ficarmos entre os melhores do mundo em Londres e em 2016", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
basqueteseleção brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.