Samuel Vélez/FIBA
Samuel Vélez/FIBA

Técnico do Brasil já faz planos para Mundial de Basquete

Técnico acredita que renovado grupo precisa ter mais rodagem antes da competição

AE, Agência Estado

29 de setembro de 2013 | 11h58

XALAPA - Após se classificar para o Mundial de Basquete na noite de sábado, com a vitória por 66 a 56 sobre Porto Rico na disputa do terceiro lugar da Copa América, a seleção brasileira feminina já pensa nos próximos passos. O técnico Luiz Augusto Zanon destacou a necessidade de dar mais rodagem ao renovado grupo do Brasil para que a equipe possa fazer uma boa campanha no próximo ano na Turquia.

"Agora com a vaga consolidada, vamos nos reunir com a CBB para fazer um planejamento para um ano de 2014, com muito mais experiência para essas meninas, com equipes de grande nível e da Europa. Claro, que todo planejamento é fácil de fazer no papel, mas para realizá-lo necessitamos de outras coisas. A formação de um grupo, nós já fizemos que era o mais difícil. Ter meninas dentro dessa faixa etária com capacidade de almejar alguma coisa era algo distante. Agora, o planejamento será a sequência para fortalecer esse trabalho e processo iniciado em 2013", destacou o técnico.

Zanon lembrou que a responsabilidade de classificar o Brasil para o Mundial recaiu sobre um grupo formado basicamente por novatas. "Estou muito satisfeito de termos alcançado o nosso principal objetivo, que foi o de formar um grupo novo, além de muito contente com a evolução dessas meninas e com a sequencia que teremos pela frente. Elas mostram também o que podem ainda fazer pela frente. Estamos começando a formar uma seleção brasileira mesmo com uma sequencia e elas vão ter essa oportunidade pra frente em todas as competições oficiais que o Brasil possa estar jogando", disse.

Após sobrar na primeira fase da Copa América, o Brasil perdeu nas semifinais para Cuba e acabou tendo que decidir a vaga no Mundial diante de Porto Rico no sábado. Para Zanon, a equipe conseguiu suportar a responsabilidade de não poder tropeçar para conquistar a sua classificação.

"A disputa de hoje foi o jogo de maior trabalho emocional que tivemos durante o torneio, porque reverter a situação da derrota de ontem para Cuba, em menos de 24 horas foi duro. Enfrentamos hoje um adversário que estava ferido e fortalecido do primeiro jogo, em que vencemos por uma larga diferença (91 a 54). Entramos o grupo um pouco tenso no jogo, mas tivemos muita qualidade nos sistemas que cada menina que acreditaram e foram buscar a superação. Esse deve ter sido o maior amadurecimento desse grupo dentro do nosso projeto. Pretendemos manter esse projeto pelo menos até a Olimpíada do Rio", analisou Zanon.

FINAL

Já classificados para o Mundial de Basquete, Canadá e Cuba se enfrentaram na noite de sábado pela decisão da Copa América em Xalapa, no México, e a seleção caribenha se deu melhor, vencendo as canadenses, que estavam invictas na competição, por 79 a 71. Assim, conquistaram o título continental. A canadense Tamara Tatham foi a cestinha da partida com 25 pontos, seis a mais do que a cubana Oyanaisy Gelis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.