Stephen Lew/USA Today Sports
Stephen Lew/USA Today Sports

Técnico dos Mavs exalta Williamson: 'É um tipo de força da natureza de Shaquille O'Neal'

Astro dos Pelicans tem tido destaque nos últimos jogos, forçando os adversários a pará-lo somente através de faltas

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 15h47

Após ser mais uma vítima de Zion Williamson, o técnico do Dallas Mavericks, Rick Carlisle, fez questão de exaltar o astro do New Orleans Pelicans. Conhecido por sua força incomum, o jogador de apenas 20 anos dominou o garrafão no jogo deste sábado, terminando a noite com 38 pontos, além de distribuir seis assistências e conquistar cinco rebotes.

Além dos 38 pontos, outro fator que impressiona em Williamson é o fato de sofrer muitas faltas, muitas vezes o único meio de parar o ataque desenfreado do jovem ala-pivô. Contra os Mavericks, os Pelicans venceram por 112 a 103 e o astro foi para a linha dos lances livres 18 vezes, tendo convertido 12 cobranças.

"Ele obviamente tem uma força descomunal e obviamente é um grande jogador", analisou Carlisle. "Nós vamos ter de inventar algo novo e um pouco melhor da próxima vez, mas ele está fazendo isso com todo mundo. Nós de fato tivemos alguns momentos em que o marcamos, mas ele foi uma fera."

O comandante de Dallas ainda tentou comparar o perfil de Zion Williamson com algo que possa ter existido anteriormente na NBA. "Isso apresenta um grande desafio para as defesas no geral e para os juízes. Ele está criando colisões. Isso é um tipo de força da natureza de Shaquille O'Neal com habilidades de um armador", comparou o treinador.

Antes dos expressivos 38 pontos contra os Mavericks, Williamson teve outra noite de gala contra o Denver Nuggets, quando marcou seu recorde na carreira de 39 pontos. Seu protagonismo só ilustra uma dependência cada vez maior que os Pelicans têm em sua estrela. Ele marcou ou contribuiu diretamente para os últimos 14 pontos de New Orleans neste sábado, todos nos 2:47 finais de jogo. O time assumiu a liderança por 98 a 95 num momento muito crucial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.