Reprodução TV Estadão
Reprodução TV Estadão

'Temos certeza de que vamos realizar um evento ainda melhor'

João Fernando Rossi, presidente da LNB, enaltece Jogo das Estrelas no Ibirapuera

Entrevista com

João Fernando Rossi, presidente da LNB

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2018 | 17h00

 

O sucesso do Jogo das Estrelas na temporada passada te tranquilizou para apostar novamente no Ibirapuera como palco da festa?

Não teria como pensar em uma outra praça esportiva que não fosse o Ibirapuera, em São Paulo. Ano passado, antes do evento, não tínhamos convicção se teríamos casa cheia, pois fazia muito tempo que o basquete não atuava no Ibirapuera. Mas o Jogo das Estrelas de 2017 foi um sucesso e surpreendeu tanto fãs quanto parceiros. Tínhamos de repetir a festa aqui e temos certeza de que vamos realizar um evento ainda melhor.

A LNB optou pelo segundo ano consecutivo por não ter atrações da NBA. A liga alcançou autossuficiência na organização do evento?

É uma evolução natural do produto NBB. Os clubes estão cada vez mais preocupados com o entretenimento em suas arenas e temos de valorizar isso. Este ano, vamos trazer mascotes de Franca, Bauru, Paulistano e Minas, que estão se destacando. A gente vai trazer também diversos profissionais dos times para colaborar na organização junto ao nosso staff. O DJ é do Paulistano, o MC é do Flamengo e assim vai. Isso fortalece o conceito de liga, pois estimula que todos os clubes queiram fazer parte da festa. O Jogo das Estrelas é um evento que reúne os melhores em todas as áreas, não somente dentro da quadra. 

Você está satisfeito com o atual formato do Jogo das Estrelas ou pensa em modificá-lo, assim como foi feito na NBA recentemente?

Sempre queremos que a disputa seja atrativa e emocionante para os fãs, portanto, após esse evento, vamos nos sentar e repensar o que faremos no próximo ano. O NBB Brasil não vence há duas edições. Neste ano, terá o reforço do Varejão e isso faz com que a rivalidade continue.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.