Título faz Bryant dizer que terminará carreira no Lakers

O ala Kobe Bryant declarou, durante a comemoração do 15.º título do Los Angeles Lakers na NBA, que vai continuar na equipe até o fim de sua carreira. "Eu estou aqui [em Los Angeles] desde 1996 e continuarei por aqui por muito mais tempo para celebrar mais títulos", garantiu.

ALAN RAFAEL VILLAVERDE, Agencia Estado

18 de junho de 2009 | 09h45

O jogador, de 30 anos, vive um momento único em sua carreira. Em agosto do ano passado, após perder a final para o rival Boston Celtics, liderou a equipe americana à conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim e finalmente venceu uma final de NBA sem contar com a ajuda do pivô Shaquille O''Neal.

A alegria vivida atualmente, no entanto, não parecia possível em 2007. Chateado pela diretoria não contratar os jogadores que ele queria, Kobe Bryant deixou claro que queria ser negociado, e chegou a se cogitar uma ida para sua cidade natal, Philadelphia, para jogar pelos 76ers. Mas as exigências da franquia de Los Angeles acabaram com qualquer possibilidade de troca.

Mesmo com Bryant descontente, a franquia se reorganizou e, com a queda técnica do San Antonio Spurs - em parte pelas seguidas lesões dos principais jogadores -, reassumiu o controle da Conferência Oeste com a chegada do espanhol Pau Gasol, dando mais força ao garrafão.

"Agora eu tenho um espanhol; jogadores jovens, bons companheiros. Não tenho do que reclamar", disse Bryant na entrevista coletiva após a conquista do título sobre o Magic, em Orlando.

Feliz, Kobe Bryant está confiante que o atual time seja mantido pelas próximas quatro temporadas e, assim, tenha a chance de ao menos igualar o recorde de títulos do ícone do basquete até o momento, Michael Jordan, que possui seis contra quatro do jogador dos Lakers. "O nosso objetivo é sempre buscar o título. Tenho confiança na equipe, que não está satisfeita".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.