Ariel Schalit/AP
Ariel Schalit/AP

Treinadores de basquete nos Estados Unidos são condenados por morte de garota durante treino

Há dois anos, Imani Bell, de 16 anos, participava de testes para o time de basquete feminino da escola, quando sofreu insolação após correr pelas escadas no estádio de futebol americano

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2021 | 14h14

Dois técnicos de basquete em Atlanta, na Geórgia, foram condenados por terem causado a morte de uma garota de 16 anos durante um treino em agosto de 2019. Imani Bell, que estava no ensino médio, sofreu insolação depois de estar jogando em local aberto sob uma temperatura de 38°C. Segundo registros de tribunal, o júri indiciou Larosa Walker-Asekere e Dwight Palmer no último mês. 

Bell era aluna na Elite Scholars Academy, no condado de Clayton, a sul de Atlanta. Ela participava de testes para o time de basquete feminino da escola, quando colapsou após correr pelas escadas no estádio de futebol americano, que estava sob um aviso de forte calor. As informações são de um processo feito pela família em fevereiro contra administradores da escola. 

A garota morreu no fim daquele dia por conta de uma parada cardíaca relacionada ao calor e falência renal. O advogado da família de Bell, Justin Miller, disse na terça que a acusação "dá um sinal de que a promotoria do distrito está levando isso a sério". Esperando que o caso prossiga rapidamente, ele ainda adicionou que "o ponto do caso é o processo, não apenas as acusações". 

Os registros judiciais não mostram nenhuma defesa para os acusados. Walker-Assere foi identificada por Miller como a técnica do time de basquete, e Palmer como um assistente. Ambos estavam no local e responsáveis pela garota quando o caso aconteceu. 

O processo criado pela família afirma que os funcionários da escola violaram uma regra da Associação do Ensino Médio da Geórgia que proíbe treinos ao ar livre em temperaturas iguais as que Bell enfrentou. Também acusa a instituição de não medir as condições climáticas com antecedência. O distrito da escola se recusou a comentar a situação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.