Tristeza marca chegada do basquete

Abatidos, os jogadores da Seleção Brasileira Masculina de Basquete desembarcaram neste sábado pela manhã no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. A equipe encerrou sua participação no Pré-Olímpico de Porto Rico em penúltimo lugar, com três vitórias e cinco derrotas, e com isso vai ficar de fora pela segunda vez consecutiva de uma Olimpíada. "Foi um golpe muito duro, pois não fomos lá só para jogar, mas para garantir uma vaga para o Brasil em Atenas/2004", disse Aloísio Ferreira, o Lula, técnico da equipe brasileira.O fracasso no torneio ele atribuiu à falta de experiência dos jovens atletas e o pouco tempo de treinamento em conjunto. "Temos excelentes jogadores, mas faltou lastro de treinamento", analisou. O balde de água fria, no entanto, não desanimou os jogadores que já fazem planos para a Olimpíada de Pequim/2008. "Vai ser difícil recomeçar do zero, porque tínhamos a vaga em nossas mãos. Agora, não adianta ficar buscando explicações para a derrota. Temos de pensar em treinar e corrigir os erros", disse o pivô Tiago Splitter, de apenas 18 anos.Para o também pivô Anderson Varejão a hora é de levantar a cabeça e voltar a apresentar o alegre basquete que encantou o País nos Jogos Pan-Americanos. "Perdemos o sonho de disputar Atenas, mas ainda teremos muitas olimpíadas pela frente. Foi uma grande lição", disse. Já o armador Leandrinho não disfarçou a tristeza. "Vai ser muito ruim acompanhar a Olimpíada pela tevê. Não sei explicar o que faltou..."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.